ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Crânio, Face e Pescoço - Ano 2011 - Volume 26 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

O uso de alargadores de lóbulo de orelha vem se tornando cada vez mais comum na sociedade. Porém, a adoção dessa prática contrasta com a busca desenfreada de alguns de seus adeptos ao retorno da condição original, muitas vezes sem que se detenha a noção da real possibilidade de sua correção ou das dificuldades apresentadas nesse sentido. Nesse momento, em que lóbulo alargado é visto então como uma deformidade, cabe ao cirurgião plástico dispor dos recursos para se obter os resultados mais próximos daquele desejado pelo paciente. O lóbulo da orelha, enquanto unidade estética importante na composição da face, remete a importantes alterações estéticas adquiridas, conforme padrões culturais e comportamentais, utilizando-se para esse fim principalmente o uso de brincos. Porém, o lóbulo da orelha se presta também como forma de expressão em setores específicos da sociedade. Um exemplo disso consiste no uso de alargadores, como no exemplo a seguir. O indivíduo que lança mão desse recurso para modificação corpórea, em muitos casos, decide após período variável de tempo, pelo retorno ao aspecto original de sua orelha. Eis que o cirurgião plástico assume papel importante no sentido de ajudar tal paciente na sua reintegração social, inclusive no que tange à inclusão no mercado de trabalho.


OBJETIVO

No presente trabalho, apresentamos a descrição de técnica por nós utilizada no Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Municipal Barata Ribeiro - Rio de Janeiro/RJ.


MÉTODOS

Foram tratados 5 pacientes, 4 homens e 1 mulher, com idades entre 25 e 37 anos, no período de março/2010 a junho/2011. A técnica utilizada baseiase na secção do ramo alargado do lóbulo em sua porção mais distal, resultando em dois retalhos alongados em sua extensão longitudinal, um anterior e outro posterior. Procede-se então à decorticação das superfícies externa e interna do retalho anterior e de toda superfície interna da fenda, incluindo a do retalho posterior. A superfície externa do retalho posterior é poupada, pois essa irá compor a região distal do novo lóbulo. O retalho anterior dobra-se de forma a unir sua superfície cruenta interna àquela correspondente à parte proximal da fenda. O retalho posterior é dobrado em seguida, envolvendo-o por sobre o retalho anterior, de forma que sua superfície interna decorticada seja suturada à superfície externa do retalho anterior.


RESULTADOS

Os pacientes demonstraram extrema satisfação no que diz respeito ao formato alcançado e à qualidade, ao posicionamento e à extensão das cicatrizes. Não houve sofrimento em nenhuma porção dos retalhos. O objetivo de reconstruir o lóbulo foi conseguido sem maiores dificuldades.


Figura 1


Figura 2


Figura 3



DISCUSSÃO

A boa vascularização no lóbulo permite ao cirurgião certa liberdade na manipulação dos tecidos locais para confecção dos retalhos e imbricação dos mesmos. Entretanto, o bom senso deve preponderar, de forma que a observação da boa perfusão das pontas dos retalhos e pequenos acabamentos segundo a sensibilidade do cirurgião deverá ser necessária. Nesse sentido, os tecidos em excesso devem ser ressecados.


CONCLUSÃO

A reconstrução de lóbulo de orelha pós-alargador se mostrou eficaz, utilizando-se técnica simples de sobreposição de retalhos anterior e posterior. Não é raro o paciente recorrer novamente ao uso de alargador no próprio lóbulo reconstruído, o que pode conferir dificuldades adicionais em procedimentos corretivos futuros. Dessa forma, convém programarse acompanhamento psicológico especializado para esse tipo de paciente.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons