ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Crânio, Face e Pescoço - Ano 2010 - Volume 25 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

É comum em várias técnicas, após a ressecção da giba nasal, a evolução com incompetência da válvula média e interna, a qual tem sido elucidada como uma das causas de obstrução nasal. Manter a fisiologia é tão importante quanto o bom resultado estético na rinoplastia. Diversas técnicas propõem estabilizações, uso de enxertos ou até mesmo não manipular as cartilagens que compõem a válvula interna.


OBJETIVO

O presente estudo visa avaliar os resultados das cirurgias de rinoplastias com a reconstrução valvular média realizadas no Serviço de Residência do Hospital Universitário Evangélico de Curitiba (HUEC).


MATERIAL E MÉTODOS

Foram realizadas sete cirurgias de rinoplastias pela técnica aberta e reconstruída a válvula média com 2 pontos de náilon 5-0, invertendo a parte superior da cartilagem junto ao septo nasal após a ressecção da giba. Os pacientes ainda realizaram outros procedimentos que não interviram no processo de reconstrução da válvula. Posteriormente, os resultados foram analisados quanto a função e aparência.


RESULTADOS

Em todos os casos, a função da válvula média e interna ficou preservada e, nenhum dos casos evoluiu com colabamento, obstrução nasal ou depressão do dorso, conhecida como V invertido. Dentre as diversas técnicas descritas para a rinoplastia, têm sido realizadas, cada vez mais, cirurgias conservadoras objetivando a manutenção da fisiologia e função nasal. A técnica do "push down" demonstra a preocupação dos autores em não alterar de forma alguma a estrutura da válvula média, porém requer um conhecimento maior por parte do residente para realização da mesma. O uso de enxerto para técnica do Spring também requer habilidade no manuseio da cartilagem alar para estabilizar o suporte das cartilagens laterais. De um modo mais simples, a reconstrução da válvula interna, invertendo a cartilagem lateral, mantém o efeito de "mola" para realizar a manutenção da abertura da válvula interna na inspiração profunda e diminui o risco deslocamento das cartilagens com a cicatrização.


Figura 1


Figura 2


Figura 3



CONCLUSÃO

Embora os resultados sejam recentes, a técnica para reconstrução da válvula média interna se demonstra de simples confecção, sem aumentar de modo significativo o tempo cirúrgico, e é uma boa opção para manter a função fisiológica nasal e evitar o colabamento das cartilagens, bem como a presença da complicação do V invertido.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons