ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior

35ª Jornada Sul Brasileira de Cirurgia Plástica - Ano 2019 - Volume 34 - (Suppl.1)

http://www.dx.doi.org/10.5935/2177-1235.2019RBCP0096

RESUMO

A correção das orelhas proeminentes tem papel importante na melhora da autoestima e no convívio social, em especial nas crianças. De janeiro a dezembro de 2018, foi realizado um total de 38 correções de orelhas proeminentes, no Hospital da Criança Santo Antônio, pela equipe do Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Todos esses procedimentos foram realizados pelo Sistema Único de Saúde, com crianças entre 9 e 17 anos. Entre janeiro e dezembro de 2018, foram operadas 31 crianças por orelhas proeminentes, sendo 58,06% do sexo masculino e 41,93% do sexo feminino, com uma idade que variou de 8 a 17 anos (média de 14,13 anos). A otoplastia é um procedimento de pequena complexidade, baixo índice de complicações e elevada taxa de satisfação por parte dos pacientes; auxiliando na melhora da autoestima e aceitação social nessa faixa etária.

Palavras-chave: Cirurgia plástica; Orelha

ABSTRACT

Correction of prominent ears plays an important role in improving self-esteem and social interaction, especially in children. From January to December 2018, a total of 38 prominent ear corrections were performed at the Hospital of the Child Santo Antônio, by the team of the Service of Plastic Surgery and Microsurgery of the Santa Casa de Misericórdia of Porto Alegre. All these procedures were performed by the Unified Health System, with children between age 9 and 17. Between January and December 2018, 31 children were operated on with prominent ears, 58.06% male and 41.93% female, ranging from 8 to 17 years (mean of 14.13 years). Otoplasty is a procedure of small complexity, with a low rate of complications and a high rate of patient satisfaction; helping to improve self-esteem and social acceptance in this age group.

Keywords: Plastic surgery; Ear


INTRODUÇÃO

Orelhas proeminentes são uma alteração anatômica congênita presente em aproximadamente 5% da população1. Trata-se de um traço autossômico dominante e associado à combinação de duas alterações principais: hipodesenvolvimento da dobra da anti-hélice e um hiperdesenvolvimento da concha da orelha2. Apesar de ser essa uma alteração benigna, sua presença está diretamente associada a bullying, estresse psicológico, trauma emocional e alterações de comportamento3. A correção das orelhas proeminentes tem papel importante na melhora da autoestima e no convívio social, em especial nas crianças. De janeiro a dezembro de 2018, foi realizado um total de 38 correções de orelhas proeminentes, no Hospital da Criança Santo Antônio, pela equipe do Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre. Todos esses procedimentos foram realizados pelo Sistema Único de Saúde, com crianças entre 9 e 17 anos.

OBJETIVO

Relatar a técnica utilizada na correção das orelhas proeminentes realizada pela equipe de Cirurgia Plástica e Microcirurgia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, bem como comparar seus resultados e complicações com a literatura médica.

MÉTODO

Revisão de prontuário, descrição cirúrgica e registros fotográficos do Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.

RESULTADOS

Entre janeiro e dezembro de 2018, foram operadas 31 crianças por orelhas proeminentes, sendo 58,06% do sexo masculino e 41,93% do sexo feminino, com uma idade que variou de 8 a 17 anos (média de 14,13 anos). A equipe tem por rotina sempre estimular o procedimento com anestesia local; no entanto, pacientes menores de 12 anos (16,12% dos pacientes) geralmente realizam o procedimento com anestesia geral. Realizamos antissepsia com clorexidina aquosa e infiltração com solução com soro fisiológico, lidocaína 2%, ropivacaína 7,5% e adrenalina na concentração de 1:100.000. Iniciamos com uma incisão e descolamento retroauricular bilateral. Posteriormente realizamos três pontos de Mustardé para reconstrução da anti-hélice e posteriormente ponto de Furna na região posterior da concha para correção do abano auricular, ambos com fios de náilon. Quando julgamos necessário, no intraoperatório, são realizados pontos de Gosain para correção do abano de lobo auricular. Pacientes que são submetidos a anestesia geral recebem antibioticoprofilaxia no intraoperatório por via intravenosa; os que realizam otoplastia com anestesia local recebem alta com prescrição antibiótica por 7 dias. No acompanhamento pós-operatório durante o ano, três pacientes (9,68%) apresentaram extrusão de pontos em cicatriz operatória; uma paciente evoluiu com epidermólise bilateral em região de anti-hélice, com boa evolução com curativo e hidratante local; houve um caso de infecção unilateral de sítio cirúrgico e outro com cicatriz hipertrófica. Um paciente apresentou recidiva unilateral nos primeiros 3 meses de acompanhamento pós-operatório, sendo reoperado com 6 meses após o primeiro procedimento.

DISCUSSÃO

A otoplastia é um dos procedimentos mais realizados na faixa etária pediátrica e; portanto, fundamental na formação de todo residente de cirurgia plástica. Nesse período inicial de formação médica, bem como durante toda a carreira de qualquer cirurgião, haverá complicações. Cabe ao médico tentar evitá-las e, quando presentes, saber identificar e corrigir. A técnica utilizada pela equipe de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre com pontos de Furnas e Mustardé é largamente utilizada e bem documentada na literatura médica. Quando os resultados obtidos pela equipe e suas taxas de complicações estão dentro da média dos demais trabalhos clínicos que apresentam índices de recidivas entre 6,5% e 12%, infecções entre 2,4% e 5,2%, hematomas em torno de 2%4-6, cicatriz hipertrófica/queloide em 3,3%, necrose da pele em 2,5% e exteriorização do fio em 6,1%.

Orelhas em abano são uma das principais indicações de cirurgias plástica entre crianças e adolescentes. O bullying gerado nas idades iniciais de desenvolvimento infantil podem gerar depressão e cicatrizes psicológicas profundas. A otoplastia é um procedimento de pequena complexidade, baixo índice de complicações e elevada taxa de satisfação por parte dos pacientes; auxiliando na melhora da autoestima e aceitação social nessa faixa etária.

Figura 1 - Foto pré-operatória imediata.

REFERÊNCIAS

1. Adamson PA, Strecker HD. Otoplasty. Facial Plast Surg. 1995; 11:284. DOI: https://doi.org/10.1055/s-2008-1064545

2. Janis JE, Rohrich RJ. Otoplasty. Plast Reconstr Surg. 2005; 115:60-72. DOI: https://doi.org/10.1097/01.PRS.0000156218.93855.C9

3. Bradbury ET, Hewison J, Timmons MJ. Psychological and Social Outcome of Prominent Ear Correction in children. Br J Last Surg. 1992; 45:97. DOI: https://doi.org/10.1016/0007-1226(92)90165-T

4. Handler EB, Shih C. Complications of Otoplasty. Facial Plast Surg Cila N Am. 2013; 21:653-62. DOI: https://doi.org/10.1016/j.fsc.2013.08.001

5. Mobley SR, Toriumi DM. Otoplasty: Surgical Correction of The Protruding Ear. Head Neck Surg. 2002; 13:29-35.

6. Aki F, Ferreira MC. Complicações em Otoplastia: Revisão de 506 Casos. Rev Soc Bras Cir Plást. 2006; 21:140-4.











1. Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.
2. Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto alegre, RS, Brasil.

Endereço Autor: Flavio Maciel de Freitas Neto Rua Irmão José Otão, nº 540 - Independência, Porto Alegre, RS, Brasil CEP 90035-060 E-mail: fmdfn@hotmail.com

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons