ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Ideias e Inovações - Ano 2014 - Volume 29 - Número 3

http://www.dx.doi.org/10.5935/2177-1235.2014RBCP0079

RESUMO

A face representa uma estrutura importante nos seres humanos, devido a ser a parte mais visível do corpo e conter elementos delicados e complexos, que são essenci ais em termos de beleza e funcionalidade. As reconstruções faciais, em áreas de grandes perdas de substâncias, permanecem como um desafio para os cirurgiões. Apresentam várias opções de reparo, todas com suas vantagens e desvantagens. Mostramos o caso de um paciente apresentando perda de substância de espessura total em região de bochecha, que foi submetido à associação de retalho mucoso e retalho cutâneo local, apresentando bom resultado e preservação funcional.

Palavras-chave: Reconstrução; Face; Bochecha; Retalhos cirúrgicos.

ABSTRACT

The face is an important structure, because it is the most visible part of the body and contains delicate and complex elements that are essential for aesthetics and functionality. Facial reconstruction of areas with substantial substance loss remains a surgical challenge. There are several repair options, with corresponding advantages and disadvantages. We present a case of a patient with substance loss of the total thickness of the cheek region who received mucosal and local skin flap surgery, with good results and functional preservation.

Keywords: Reconstruction; Face; Cheek; Surgical flaps.


INTRODUÇÃO

A face representa uma estrutura importante nos seres humanos, devido a ser a parte mais visível do corpo e conter elementos delicados e complexos, que são essenciais em termos de beleza e funcionalidade1.

Do ponto de vista estético, a região da bochecha pode ser dividida em três unidades, de acordo com sua localização: suborbital, pré-auricular e bucomandibular2. A região bucomandibular é constituída de quatro camadas: cutânea, subcutânea, SMAS e mucosa oral, devendo ser reconstruída em mais de um plano cirúrgico.

Muitas formas de reconstrução têm sido descritas, abrangendo a camada superficial e a mucosa oral.

Fechamento primário, enxerto cutâneo parcial e total, retalhos locais (cutâneos e miocutâneos), retalhos livres e expansão tecidual constituem opções para reconstrução do plano superficial1-10.

Os defeitos mucosos na cavidade oral, resultantes de ressecções tumorais ou processos infecciosos agudos ou crônicos, podem levar o paciente a apresentar déficits funcionais e estéticos significantes, e podem ser reconstruídos com a utilização de fechamento primário, fechamento por segunda intenção com mucosalização, enxertos cutâneos, retalho de língua, retalhos cutâneos locais e retalhos livres7,9.


MÉTODO

Paciente do sexo masculino, 33 anos, faiodermo, estudante universitário, procedente de Pirapora-MG, solteiro, portador do vírus HIV, com relato de episódio de amigdalite havia seis anos, evoluindo com celulite de face (região bucal) bilateral, tendo sido inicialmente tratado com penicilina; apresentou reação alérgica e permaneceu internado com uso de antibioticoterapia, cujo nome desconhece; evoluiu com abcesso e necrose local. À esquerda, apresentando fechamento espontâneo, e à direita, permanecendo com grande área de perda de substância de espessura total; relatou a tentativa de enxerto na época, mas sem evolução satisfatória.

Ao exame, observamos hipotrofia facial importante bilateral e extensa área de perda de substância à direita, conforme evidenciado nas Figuras 1 e 2. Durante esses seis anos, o paciente realizou curativo oclusivo local, sendo necessária a troca várias vezes ao dia e sempre que se alimentava.


Figura 1. Vista anterior evidenciando hipotrofia importante bilateral e área de perda de substância complexa à direita.


Figura 2. Vista lateral evidenciando hipotrofia importante e área de perda de substância complexa à direita.



Realizava acompanhamento frequente com infectologista, utilizando corretamente terapia antirretroviral prescrita e não apresentando contraindicações à cirurgia.


RESULTADO

Procedimento cirúrgico


Paciente submetido à anestesia geral, com antissepsia cutânea e de cavidade oral. Realizada, inicialmente, incisão na borda entre a região cutânea e a região de mucosa oral (mucosalização), com dissecção em plano mucoso, confeccionando-se dois retalhos mucosos. Realizada sutura em dois planos, com manutenção da camada mucosa na região intraoral (Figuras 3, 4 e 5).


Figura 3. Imagem evidenciando descolamento de área de mucosalização.


Figura 4. Imagem evidenciando término de confecção de retalho mucoso.


Figura 5. Imagem evidenciando término da sutura em dois planos de retalho mucoso.



Realizada dissecção de retalho cutâneo em plano supra-SMAS de região de terço médio facial, confeccionando-se retalho de transposição lateral e fechamento por planos, seguido de curativo local (Figuras 6 e 7).


Figura 6. Confecção de retalho cutâneo local.


Figura 7. Aspecto final ao término da cirurgia - observa-se dreno aspirativo.



Paciente foi submetido à antibioticoprofilaxia com clindamicina e à drenagem aspirativa a vácuo.

No sétimo dia de evolução pós-operatória, paciente apresentou pequena região de sofrimento do retalho cutâneo (bordas), com secreção local purulenta. Foi prescrita então antibioticoterapia por sete dias (ciprofloxacina e metronidazol), com boa evolução e fechamento por segunda intenção. Apresentou-se, assim, resultado satisfatório, com ausência de fístula salivar, preservação da função mastigatória e sem necessidade de manutenção de curativos (Figuras 8, 9 e 10).


Figura 8. Vista anterior de pós-operatório de três meses.


Figura 9. Vista em perfil direito de pós-operatório de três meses.


Figura 10. Vista intraoral evidenciando mucosa íntegra.



DISCUSSÃO

As reconstruções faciais em áreas de grandes perdas de substâncias permanecem como um desafio para os cirurgiões1,3. Apresentam várias opções de reparo, todas com suas vantagens e desvantagens1.

Os enxertos cutâneos constituem opções simples, com pouca morbidade associada, porém apresentam coloração e espessura diferentes da região receptora, apresentando resultado estético insatisfatório1,3,6.

Os retalhos livres são uma excelente opção, porém necessitam de estrutura apropriada para realização do procedimento e equipe com experiência em microcirurgia. Podem apresentar complicações, como infecção, trombose e perda do retalho3,4,8,9.

Os retalhos locais apresentam-se como uma ótima escolha, pois fornecem tecido de cor e textura semelhantes, e têm um risco reduzido para pacientes com comorbidades; porém, têm aplicação limitada em defeitos extensos. Como exemplos de retalhos que são utilizados, podemos citar os retalhos de Esser, Blascowicz, Ferris Smith, Mustardé, Converse, Stark, Juri e Juri, Zide e Schruder e Kroll6,11,12.

Função oral adequada e resultados estéticos devem ser buscados na reconstrução da cavidade oral; enxertos cutâneos, retalhos cutâneos locais e retalhos livres apresentam-se como opções para reconstrução da mucosa oral. O retalho de língua também constitui uma opção, porém pode apresentar alteração mastigatória e de deglutição7,9.

Reconstruções de grandes perdas de substâncias na face constituem um desafio cirúrgico e a associação de retalho mucoso e retalho cutâneo local constitui uma boa opção, com baixa morbidade e com tecido semelhante, na reconstrução de espessura total na região da bochecha.


REFERÊNCIAS

1. Motamed S, Fadaee-Naeeni A. Reconstruction of the cheek, moustache, and beard by transferring an expanded cervical flap. Arch Iran Med. 2008;11(2):221-3. PMid:18298305.

2. Heller L, Cole P, Kaufman Y. Cheek reconstruction: current concepts in managing facial soft tissue loss. Semin Plast Surg. 2008;22(4):294-305. http://dx.doi.org/10.1055/s-0028-1095888. PMid:20567705

3. Saito N, Tsutsumida A, Furukawa H, Sekido M, Oyama A, Funayama E, et al. Reconstructive considerations in the treatment of soft tissue sarcomas of the cheek. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2010;30(2):103-6. PMid:20559481.

4. Colletti G, Autelitano L, Tewfik K, Rabbiosi D, Biglioli F. Autonomized flaps in secondary head and neck reconstructions. Acta Otorhinolaryngol Ital. 2012;32(5):329-35. PMid:23326014.

5. Fenton CC, Kertesz T, Baker G, Sándor GKB. Necrotizing fasciitis of the face: a rare but dangerous complication of dental infection. J Can Dent Assoc. 2004;70(9):611-5. PMid:15473945.

6. Liu FY, Xu ZF, Li P, Sun CF, Li RW, Ge SF, et al. The versatile application of cervicofacial and cervicothoracic rotation flaps in head and neck surgery. World J Surg Oncol. 2011;9(1):135. http://dx.doi.org/10.1186/1477-7819-9-135. PMid:22018437

7. Eckardt AM, Kokemüller H, Tavassol F, Gellrich NC. Reconstruction of oral mucosal defects using the nasolabial flap: clinical experience with 22 patients. Head Neck Oncol. 2011;3(1):28. http://dx.doi.org/10.1186/1758-3284-3-28. PMid:21605443

8. Reis J, Amarante J, Malheiro E, Santa-Comba A, Costa-Ferreira A, Barroso ML. Retalhos livres na reconstrução de cabeça e pescoço. Acta Med Port. 1998;11(2):103-10. PMid:9567406.

9. Denewer AT, Steet AE, Mohamed OH, Aly OF. Locally advanced cheek carcinoma; radical surgery and reconstruction of though and through defects. Journal os the Egyptian Nat. J Egypt Natl Canc Inst. 2006;18(2):141-6. PMid:17496939.

10. White CP, Rosen N, Muhn CY. The usefulness of the bilobed flap for lateral cheek defects. Can J Plast Surg. 2012;20(1):e19-21. PMid:23598770.

11. Mehrara BJ. Reconstrução das bochechas. In: Thorne CH, Beasley RW, Aston SJ, Bartlett SP, Gurtner GC, Spear SL. Grabb e Smith: cirurgia plástica. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007. p. 366-79.

12. Beirigo MF, D'Alessandro GS, Oksman D, Nunes TR, Busnardo FF, Pinto WS. Reconstrução da porção medial da pálpebra inferior com retalho de Imre. Rev Bras Cir Plást. 2009;24(4):569-72.










1. Residente de Cirurgia Plástica do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil
2. Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Preceptor do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil

Instituição: Trabalho realizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Autor correspondente:
Jose Mauro de Oliveira Squarisi
Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais
Avenida Professor Alfredo Balena, 110 - Santa Efigênia
Belo Horizonte, MG, Brasil CEP 30130-100
E-mail: josemauroeu@yahoo.com.br

Artigo submetido: 30/12/2013.
Artigo aceito: 03/08/2014.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons