ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Tórax e Tronco - Ano 2012 - Volume 27 - (3 Suppl.1)

OBJETIVO

Desde o início do ano de 2002, recebemos inúmeros pacientes que, após o emagrecimento proporcionado pela cirurgia bariátrica, procuram a cirurgia plástica para reparo das deformidades de contorno corporal decorrentes da grande perda de peso. O objetivo deste trabalho é apresentar a sistematização que nosso grupo de estudos desenvolveu ao longo de 10 anos tratando esses pacientes e compartilhar o aprendizado que obtivemos nesse período.


MÉTODO

No período de janeiro de 2002 a maio de 2012, 108 pacientes pós-bariátricos foram submetidos a cirurgia para correção do contorno corporal por nossa equipe, no Hospital de Clínicas da UFPR, Serviço de Cirurgia Geral e em clínica privada do autor sênior (Clínica Cavalcanti). Dos 108 pacientes operados, 90 deles eram mulheres e 18 homens, com média de idade de 47,3 anos. Dos 108 pacientes, 106 foram submetidos a abdominoplastia circunferencial pela técnica de Regnault, também conhecida com em âncora" ou "Fleur de Lis". Em 2 casos não utilizamos a abordagem vertical "em âncora". A marcação deve ser realizada no dia anterior à cirurgia e cicatrizes devem ficar posicionadas dentro dos limites das roupas íntimas ou de banho. O "pinch test" define a quantidade de tecido a ser removido em toda circunferência e também na dimensão vertical para marcação da âncora. Todos os pacientes foram submetidos a cirurgia sob bloqueio peridural e anestesia geral, sendo a cirurgia iniciada em decúbito ventral para a abordagem da área posterior e logo após mudança para decúbito dorsal para o tempo cirúrgico da região abdominal anterior. O tempo médio dos procedimentos foi de 4 horas e 50 minutos. Para todos os pacientes foi utilizada profilaxia da TVP: heparina de baixo peso molecular (Enoxaparina) 40 mg via subcutânea 1x ao dia, compressão intermitente de membros inferiores com bomba pneumática e meias elásticas compressivas e mobilização precoce no pós-operatório. Na profilaxia da hipotermia, utilizamos colchão de circulação de ar aquecido, infusão de líquidos venosos aquecidos e manutenção de temperatura média da sala de cirurgia em torno de 22ºC. A antibioticoterapia profilática é realizada com Cefazolina na dose 1 g endovenoso na indução anestésica e após 3 horas da primeira dose, mantendo-se a administração dessa dose a cada 8 horas durante o internamento. A infiltração do tecido subcutâneo é realizada com solução salina com vasoconstritor. Inicialmente é realizada a ressecção da pele e tecido subcutâneo da região dorsal e flancos até o plano da fáscia muscular. Realizamos sutura em 3 planos com pontos separados de Vicryl® 2-0 e 3-0 (poligalactina 910) em fáscia subcutânea, plano subdérmico e intradérmico, e finalização com cola cirúrgica. Após o término da região dorsal, é realizada a mudança para decúbito dorsal, e início da abordagem abdominal. Evita-se o descolamento além da área demarcada, pelo risco do aumento no número de complicações. Neste tempo é feita a reparação de eventuais hérnias de parede abdominal. Para a correção da diástase de músculos retos abdominais utiliza-se sutura em pontos separados com fio inabsorvível de polipropileno 2-0. Drenos de sucção a vácuo são inseridos ao longo da área descolada. Geralmente utilizamos transfusão sanguínea (autotransfusão) para todos os pacientes durante o tempo cirúrgico.


RESULTADOS

O tempo cirúrgico médio dos procedimentos foi de 4 horas e 50 minutos, não excedendo o limite de 6 horas. As complicações apresentadas pelos pacientes foram: 17 casos de seroma, drenados no pós-operatório, 6 casos de anemia com sintomas clínicos (dispneia, fadiga, tontura), um caso de deiscência de sutura no dorso após esforço físico para levantar-se do leito no primeiro dia pós-operatório e dois casos de infecção de ferida pós-operatória. Como complicação maior, tivemos um caso de insuficiência respiratória no pós-operatório imediato.


CONCLUSÃO

A abdominoplastia circunferencial proporciona bom resultado de definição do contorno corporal em pacientes com grande emagrecimento, tanto no aspecto funcional quanto estético. A ressecção de pele e tecido subcutâneo excedentes da região dorsal e flancos proporciona o reposicionamento da porção lateral e posterior de coxas e glúteos, corrigindo a sobreposição de tecidos com excesso de flacidez e aspecto "derretido" resultante do emagrecimento. O tratamento da flacidez vertical com a abordagem em "âncora" ou "Fleur de Lis" é importante na melhor definição da cintura e, consequentemente, do formato final mais harmônico do contorno corporal.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons