ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Tórax e Tronco - Ano 2012 - Volume 27 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

A técnica de separação de componentes para tratamento de hérnias incisionais baseia-se na separação do músculo reto abdominal de sua lâmina posterior e a liberação do músculo oblíquo externo por incisão da linha semilunar. Esta técnica tem sido utilizada por diversos autores, sendo encontrados estudos clínicos e experimentais que demonstraram resultados satisfatórios, com baixos índices de recorrência devido à redução da resistência à tração medial dessas estruturas. A partir da descrição inicial, algumas variações técnicas foram descritas, sendo relevante o descolamento da lâmina anterior do músculo reto, pelo fato da mesma ser contínua em toda sua extensão, com bons resultados clínicos. A possibilidade de aplicação dessa técnica no tratamento das diferentes deformidades da parede abdominal, incluindo descolamentos sequenciados ou até unilaterais, demonstra ainda a versatilidade da técnica, com bons resultados no pós-operatório.


OBJETIVO

Demonstrar as diferentes aplicabilidades da técnica de separação de componentes com a variante do descolamento da lâmina anterior da bainha do músculo reto do abdome.


MÉTODO

Foram incluídos no estudo 10 pacientes adultos, no período compreendido entre fevereiro de 2009 e novembro de 2011. Não houve qualquer seleção em relação ao gênero ou etnia. Os critérios de exclusão foram: histórico de coagulopatias, nefropatias, doenças crônicas descompensadas e uso crônico de corticosteroides. Em todos os pacientes, realizou-se anamnese geral e dirigida, com histórico da alteração apresentada, além de exame clínico completo, com mensuração do defeito da parede abdominal. No pré-operatório, foram solicitados: hemograma e coagulograma completo, creatinina, glicemia de jejum, eletrocardiograma e radiografia simples de tórax (póstero-anterior e perfil). Os pacientes foram distribuídos em dois grupos, de acordo com o excesso de pele: Grupo I (n=4) - sem excesso de pele; Grupo II (n=6) - com excesso de pele. Foram incluídos 9 pacientes do gênero feminino e 1 do gênero masculino (Paciente 3 do Grupo II). Com o paciente em decúbito dorsal horizontal, realizou-se anestesia geral inalatória. Procedeu-se à sondagem vesical de demora e à antissepsia do campo operatório com clorexidina aquosa a 2%. Os pacientes do Grupo I foram submetidos à ressecção da cicatriz mediana, com exposição do defeito abdominal e descolamento supra-aponeurótico da pele e tela subcutânea até a linha axilar anterior. No Grupo II, realizou-se marcação do tipo abdominoplastia, com descolamento supra-aponeurótico até o processo xifoide a margens costais. Procedeu-se à redução do conteúdo herniário, quando presente, seguido de incisão com bisturi frio ao longo de toda a margem medial da bainha dos músculos retos, com descolamento total da lâmina anterior, com eletrocautério, até o recesso lateral. Realizou-se incisão com bisturi frio de todo o recesso lateral, seguida de dissecção romba do espaço entre os músculos oblíquos externo e interno, até a linha axilar anterior. Após hemostasia rigorosa, realizou-se aproximação dos componentes músculo-aponeuróticos na linha mediana, com pontos simples de nylon monofilamentar 2-0, em dois planos: primeiro plano - lâmina posterior + músculo oblíquo interno e transverso e segundo plano - lâmina anterior + músculo oblíquo externo. Foram realizados pontos de adesão do retalho dermogorduroso com pontos simples invertidos de algodão 2-0, sendo posicionado dreno de sucção a vácuo e realizado fechamento por planos.


RESULTADOS

O tempo cirúrgico variou entre 4 horas e 30 minutos e 6 horas (média de 5 horas) e o tempo de internação foi de 24 horas em todos os casos. Ambos os descolamentos realizados permitiram o tratamento dos diferentes defeitos da parede abdominal, com redução significante da tensão na linha de sutura. Não houve complicações intraoperatórias. O tempo de permanência do dreno foi de 7 dias. As complicações precoces incluíram: um caso de seroma no 15º dia de pós-operatório, tratado com punção (60 ml) (Paciente 1 - Grupo II) e um caso de dermatite por esparadrapo (Paciente 3 - Grupo II). Não houve complicações precoces no Grupo I. Não houve recidivas ou outras complicações tardias no período avaliado que variou de 30 dias a 24 meses (média de 8,7 meses).


CONCLUSÃO

A técnica de separação de componentes, com a variante do descolamento da lâmina anterior da bainha do músculo reto e incisão no recesso lateral, permitiu o tratamento de diferentes deformidades da parede abdominal, sem complicações tardias no período avaliado. Todavia, ressaltamos a necessidade da avaliação em um maior número de casos, com maior tempo de seguimento.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons