ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 3 de 3 resultado(s)

Busca por : Marco Willians Baena Destro

VOLVO DE CECO NO PÓS-OPERATÓRIO RECENTE DE ABDOMINOPLASTIA

Marco Willians Baena Destro, Cristina Destro, Valdemir José Alegre Salles, Antônio Baptista Cauduro, Roosevelt de Sá Kalume
Rev. Bras. Cir. Plást. 2007;22(3):176-179 - Relatos de Caso

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Introdução: A primeira referência sobre abdominoplastia foi feita em 1880; com o aprimoramento e a realização de um número cada vez maior deste tipo de operação, vieram também as complicações. Relato do caso: Paciente do sexo feminino, 38 anos, submetida a abdominoplastia devido a abdome flácido e globoso. A cirurgia transcorreu sem intercorrências. No 21º pós-operatório, a paciente retornou referindo parada de eliminação de gases e fezes, vômitos e distensão abdominal. Aos exames laboratoriais, evidenciou-se leucocitose, e à radiografia de abdome, obstrução intestinal completa de intestino delgado. Foi realizada laparotomia exploradora pela mesma incisão da abdominoplastia, que revelou distensão acentuada do intestino delgado em iminência de ruptura, causada por uma torção do ceco. Foi desfeita a torção e fixado o ceco, na goteira parietocólica direita, com pontos de fio inabsorvível, com posterior fechamento da parede abdominal. A paciente apresentou boa evolução, tendo recebido alta hospitalar no segundo dia de pós-operatório. Conclusão: Diante do caso e da revisão da literatura, os autores concluíram: 1. A deambulação precoce é muito importante para prevenção de complicações no pós-operatório; 2. O cirurgião não deve descartar outras complicações independentes da abdominoplastia, como a descrita, e intervir rapidamente; 3. A incisão clássica da abdominoplastia é suficiente para a abordagem do abdome e deve ser escolhida como opção inicial na eventualidade de uma complicação.

Palavras-chave: Doenças do ceco, cirurgia. Obstrução intestinal, cirurgia. Abdome, cirurgia. Complicações pós-operatórias

 

ABSTRACT

Background: Abdominoplasty was first referred to in 1880. Its refinement and the realization of the growing numbers of this surgery, also brought on complications. Case report: The authors report the case of a 38 years old female patient who underwent abdominoplasty due to a flaccid and globose abdomen. The surgery proceeded without complications. The patient returned on the 21st postoperative day, complaining of cessation of elimination of gases and feces, vomiting and abdominal distention. The laboratory examinations confirmed leucocytosis and the abdominal X-ray displayed complete obstruction of the small bowel. The patient was submitted to an exploratory laparotomy through the same abdominoplasty incision, which showed a marked distension of the small bowel, ready to rupture due to torsion of the cecum. The torsion was undone and the cecum fixed in the right parietocolic goteira with nonabsorbable sutures, followed by closure of the abdominal wall. The patient's progress was good, and she was discharged on the second postoperative day. Conclusion: Based on the case and a review of the literature, the authors conclude that: 1. Early walking is very important for preventing postoperative complications; 2. The surgeon should not reject others complications not restricted to the abdominoplasty, and act promptly; 3. The classical abdominoplasty incision is adequate for an abdominal approach and should be chosen as the initial option for an eventual complication.

Keywords: Cecal diseases, surgery. Intestinal obstruction, surgery. Abdomen, surgery. Postoperative complications

 

Pontos de adesão nas ritidoplastias: estudo comparativo

Marco Willians Baena Destro; Cristina Destro; Ricardo Baroudi
Rev. Bras. Cir. Plást. 2013;28(1):55-58 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Os hematomas constituem uma das complicações mais frequentes no pós-operatório imediato de ritidoplastias. O objetivo deste estudo é avaliar a eficácia do emprego de pontos de adesão na prevenção de hematomas em ritidoplastias. MÉTODO: Foram avaliados, retrospectivamente, 2 grupos constituídos por 88 pacientes submetidos a ritidoplastia. Os pacientes do grupo 1 não receberam pontos de adesão, que foram aplicados em todos os pacientes do grupo 2. RESULTADOS: No grupo 1, foram observados 5 (5,7%) hematomas extensos, que foram tratados cirurgicamente, e 12 (13,6%) hematomas de pequeno porte, solucionados com punção local. No grupo 2, não foi verificado nenhum hematoma que necessitasse limpeza cirúrgica. Foram observados 5 (5,68%) casos com pequenas coleções hemáticas, solucionados com punção local, e 4 (4,54%) seromas. CONCLUSÕES: Durante ritidoplastias, a aplicação de 12 a 15 pontos de adesão nas áreas dissecadas, bilateralmente, proporcionou melhor recuperação no período pós-operatório, com ausência de hematomas que exigissem limpeza cirúrgica.

Palavras-chave: Ritidoplastia/métodos. Face/cirurgia. Hematoma/prevenção & controle.

 

ABSTRACT

BACKGROUND: Hematomas are one of the most frequent complications in the immediate postoperative period following rhytidoplasty. In the present study, we aimed to assess the efficacy of using adhesion stitches to prevent the development of hematomas following rhytidoplasty. METHODS: We performed a retrospective assessment of 2 groups of 88 patients who underwent rhytidoplasty. Adhesion stitches were applied to all patients in group 2, but not to those in group 1. RESULTS: Five patients (5.7%) in group 1 developed massive hematomas that were treated surgically and 12 patients (13.6%) developed small hematomas that were resolved by local puncture. The patients in group 2 did not develop any hematoma that required surgical evacuation. Five patients (5.68%) developed small hematomas that were resolved by local puncture and 4 patients (4.54%) developed seromas. CONCLUSIONS: During rhytidoplasty, the bilateral application of 12-15 adhesion stitches in the dissected areas prevented the development of hematomas that required surgical evacuation, thus improving postoperative recovery.

Keywords: Rhytidoplasty/methods. Face/surgery. Hematoma/prevention & control.

 

Hematoma após mamaplastia de aumento em paciente portadora de doença de von Willebrand

Marco Willians Baena Destro; Áurea Regina Rodrigues; João Lúcio Rodrigues de Castro; Cristina Destro; Luiz Gustavo Capochin Romagnolo
Rev. Bras. Cir. Plást. 2011;26(3):538-541 - Relatos de Caso

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Os autores relatam o caso de uma paciente submetida a mamaplastia de aumento, não diagnosticada previamente como portadora de doença de von Willebrand, que teve dois episódios de hematoma no pós-operatório. Entre os distúrbios de coagulação, a doença de von Willebrand deve ser considerada na avaliação pré-operatória, pois afeta cerca de 1% a 3% da população, não é diagnosticada na maioria das pessoas, além de ser duas vezes mais frequente que a hemofilia. A paciente evoluiu bem no pós-operatório e medidas preventivas e terapêuticas são discutidas neste artigo.

Palavras-chave: Doenças de von Willebrand. Hematoma. Mamoplastia. Transtornos da coagulação sanguínea. Transtornos de proteínas de coagulação.

 

ABSTRACT

We present the case of a patient submitted to augmentation mammaplasty who developed 2 hematoma episodes as a result of von Willebrand's disease, which was not previously diagnosed. As a routine part of preoperative evaluation, the patient should always be tested for von Willebrand's disease. This disease affects 1-3% of the population and occurs twice as often as hemophilia. In our case, the patient recovered quite satisfactorily. Preventive and therapeutic approaches are discussed in this paper.

Keywords: von Willebrand diseases. Hematoma. Mammaplasty. Blood coagulation disorders. Coagulation protein disorders.

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons