ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Artigo Original - Ano 2011 - Volume 26 - Número 4

RESUMO

INTRODUÇÃO: A rinoplastia, assim como diversos procedimentos estéticos, apresenta parcos estudos objetivos quanto à satisfação dos pacientes. O objetivo do presente estudo é avaliar o grau de satisfação a longo prazo dos pacientes submetidos a rinoplastia na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, em um estudo retrospectivo, utilizando questionário validado.
MÉTODO: Foram selecionados todos (n = 119) os pacientes submetidos a rinoplastia no Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, nos anos de 2007, 2008 e 2009, para aplicação de um questionário validado, com o objetivo de avaliar o grau de satisfação pós-operatória.
RESULTADOS: Foram contatados 60 (50,42%) pacientes no estudo. Quanto à satisfação global com o resultado estético-funcional da rinoplastia, 85,48% dos pacientes afirmaram estar satisfeitos. Estratificando esse valor, foi observado que 88,3% dos pacientes estavam muito ou completamente satisfeitos com o aspecto estético pós-operatório do nariz; quanto à função nasal pós-operatória, 83,3% reportaram estar muito ou completamente aptos a respirar pelo nariz; quanto à impressão de amigos e familiares sobre o aspecto final do nariz, 93,3% afirmaram estar muito ou completamente satisfeitos com o resultado; 93,3% afirmaram que raramente ou nunca tiveram limitação das atividades sociais ou profissionais em decorrência do aspecto nasal pós-operatório; 75% afirmaram estar muito ou completamente confiantes de que a aparência de seu nariz era a melhor possível de ser obtida; 76,7% afirmaram que definitivamente não gostariam de alterar a aparência do nariz com outra cirurgia; e 83,4% afirmaram que definitivamente não gostariam de alterar a função nasal com outra cirurgia.
CONCLUSÕES: Constatou-se que a rinoplastia realizada no Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre apresentou alto índice de satisfação dos pacientes.

Palavras-chave: Rinoplastia. Satisfação do paciente. Avaliação de resultados. Questionários.

ABSTRACT

BACKGROUND: There are currently few studies assessing patient satisfaction after rhinoplasty or other aesthetic procedures. This is a retrospective study of patient satisfaction after rhinoplasty performed at the Plastic Surgery Department of Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.
METHODS: All (n = 119) patients who underwent rhinoplasty at the Plastic Surgery Department of Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre between 2007 and 2009 were requested to fill out a validated questionnaire to assess the degree of postoperative satisfaction.
RESULTS: Sixty (50.42%) patients were included in the study. The global satisfaction index with respect to the aesthetic and functional results showed that 85.48% of the patients were satisfied; 88.3% of patients were pleased with the aesthetic results, and 83.3% reported satisfactory functional results and could breathe easily. Regarding the impression of the patients' family and friends, 93.3% reported that they were completely pleased; 93.3% reported that the postoperative nasal form rarely or never limited social or professional activities; 75% of the patients were completely confident that nasal appearance was the best possible, while 76.7% reported that their nasal appearance could not be changed by another surgery and 83.4% did not believe that nasal function could be changed with another surgery.
CONCLUSIONS: Rhinoplasty performed at the Plastic Surgery Department of Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre resulted in a high level of patient satisfaction.

Keywords: Rhinoplasty. Patient satisfaction. Outcome assessment. Questionnaires.


INTRODUÇÃO

Nas últimas décadas, tem havido crescente interesse pela avaliação do resultado cirúrgico em diversas especialidades médicas1. Em relação à cirurgia plástica facial, o estudo da satisfação de pacientes representa uma área pouco desenvolvida, com raros instrumentos validados para avaliar os resultados objetivos e subjetivos dos procedimentos2-4. Uma exceção a essa regra é o trabalho publicado por Alsarraf3, em 2000, no qual o autor propôs quatro questionários com o objetivo de avaliar os resultados das cirurgias estéticas faciais, transformando um dado subjetivo do paciente em um dado quantitativo. Assim, esses questionários tornam possível avaliar de maneira objetiva a satisfação final do procedimento cirúrgico1,3.

Este artigo tem como objetivo avaliar o grau de satisfação dos pacientes submetidos a rinoplastia na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, a longo prazo, em um estudo retrospectivo, utilizando o questionário de Alsarraf.


MÉTODO

Foram selecionados todos os pacientes submetidos a rinoplastia no Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, nos anos de 2007 a 2009, para aplicação de um questionário específico e validado para tal objetivo (Anexo 1). Esse questionário, publicado na Aesthetic Plastic Surgery, em 2000, por Alsarraf3, é composto por 7 perguntas, todas com 5 respostas diretas, pontuadas segundo uma escala de 0 a 4, em que 0 representa a resposta mais negativa e 4, a mais positiva. Assim, somando-se a pontuação obtida em todas as respostas, dividindo-a por 28 e multiplicando-a por 100, obtemos um instrumento de pontuação em escala, sendo obtidos resultados com variação de 0 a 100, em que 0 representa o paciente menos satisfeito e 100, com maior satisfação.

No período estabelecido, 119 pacientes foram submetidos a rinoplastia na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, dos quais foi possível contato telefônico para aplicação do questionário em 60. Os demais haviam mudado de telefone e/ou endereço e foram excluídos do estudo. Selecionaram-se os pacientes operados até o ano de 2009, a fim de se obter como resultado a satisfação dos mesmos com pelo menos um ano de seguimento.

As cirurgias realizadas foram adequadas à necessidade de cada paciente, porém tiveram a mesma estrutura básica. A maioria foi realizada de forma fechada, tendo como incisão preferencial a transcartilaginosa (Figura 1) associada com a interseptocolumelar. Quando havia ponta nasal de extrema complexidade, o que ocorreu em poucos casos, foi utilizada a via aberta. A rotina iniciou-se pela ressecção do músculo depressor do septo (Figura 2), seguida da remoção da porção cefálica das cartilagens laterais inferiores, mantendo-se de 4 mm a 6 mm de extensão das mesmas para preservação da válvula externa (Figuras 3 e 4), ressecando-se uma porção caudal variável de cartilagem septal. Tratou-se, a seguir, a porção óssea do dorso com raspas e a porção cartilaginosa com ressecção, sendo realizada osteotomia externa após, se necessário. Em alguns casos, quando havia necessidade de maior definição da ponta nasal, sem uma ponta de complexidade exacerbada, empregaram-se as incisões marginais para realização da técnica de delivery ou "alça de balde" (Figura 5). Através desta, realizou-se ressecção de porções variáveis das laterais inferiores, pontos interdomais e transdomais. Quando necessário, realizou-se abordagem extramucosa ao septo cartilaginoso para retirada de enxertos a serem usados, como "strut columelar" e "escudo de Sheen". Realizou-se microporagem em 100% dos casos e colocação de gesso somente nos casos submetidos a osteotomia.


Figura 1 - Incisão transcartilaginosa.


Figura 2 - Ressecção do músculo depressor do septo.


Figura 3 - Descolamento da porção cefálica da cartilagem lateral inferior.


Figura 4 - Ressecção da porção cefálica da cartilagem lateral inferior


Figura 5 - Técnica de delivery (cartilagens laterais inferiores expostas).



RESULTADOS

Foram contatados 60 (50,42%) pacientes no estudo, sendo 53 mulheres e 7 homens, todos previamente submetidos a rinoplastia fechada. Dessa forma, apesar de não ser o objetivo inicial do trabalho, acabamos tornando o grupo homogêneo, composto somente por rinoplastias fechadas, com delivery ou não.

Quanto à satisfação geral dos pacientes com o resultado estético-funcional da rinoplastia, 85,48% afirmaram estar satisfeitos, demonstrando alto índice de contentamento dos pacientes com o resultado final.

Quando questionados quanto ao grau de satisfação com o aspecto estético pós-operatório do nariz, 53 (88,3%) pacientes responderam que estavam muito ou completamente satisfeitos e 5 (8,3%), moderadamente satisfeitos (Figura 6).


Figura 6 - Gráfico demonstrando a satisfação dos pacientes quanto à estética nasal pós-operatória.



Quando perguntados sobre a função nasal pós-operatória, 50 (83,3%) pacientes afirmaram estar muito ou completamente aptos a respirar pelo nariz e 7 (11,6%), respirando moderadamente (Figura 7).


Figura 7 - Gráfico demonstrando a satisfação dos pacientes quanto à função nasal pós-operatória.



Em resposta ao questionamento sobre a impressão de amigos e familiares em relação ao aspecto final do nariz, 56 (93,3%) pacientes afirmaram que estavam muito ou completamente satisfeitos com o resultado e 3 (5%), moderadamente satisfeitos (Figura 8).


Figura 8 - Gráfico demonstrando a satisfação de familiares e amigos dos pacientes com o resultado cirúrgico final.



Quando perguntados se o aspecto nasal limitava suas atividades sociais ou profissionais, 56 (93,3%) pacientes responderam raramente ou nunca e 3 (5%), algumas vezes (Figura 9).


Figura 9 - Gráfico demonstrando a limitação de atividades sociais e profissionais dos pacientes pós-rinoplastia.



Quando questionados se acreditavam ser a aparência de seu nariz a melhor possível de ser obtida, 45 (75%) pacientes responderam estar muito ou completamente confiantes e 8 (15%), moderadamente confiantes (Figura 10).


Figura 10 - Gráfico demonstrando a confiança dos pacientes de que a aparência pós-operatória é a melhor possível.



Em resposta ao questionamento quanto ao desejo de alterar a aparência do nariz com outra cirurgia, 46 (76,7%) pacientes responderam que definitivamente não, 8 (13,3%) responderam que provavelmente não e 6 (10%), talvez (Figura 11).


Figura 11 - Gráfico demonstrando o desejo dos pacientes de serem submetidos a novo procedimento cirúrgico para alterar a aparência nasal.



Quando questionados se gostariam de alterar a função nasal com outra cirurgia, 50 (83,4%) pacientes (Figura 12) responderam que definitivamente não, 8 (13,3%) responderam que provavelmente não e 2 (3,3%), talvez.


Figura 12 - Gráfico demonstrando o desejo dos pacientes de serem submetidos a novo procedimento cirúrgico para alterar a função nasal.



Todas as cirurgias foram rinoplastias primárias, realizadas pelos residentes do 3o ano de Cirurgia Plástica, com supervisão do preceptor. O tempo médio de seguimento até aplicação do questionário foi de 32 meses.


DISCUSSÃO

Observou-se, neste estudo retrospectivo, que a rinoplastia realizada pela equipe do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre foi eficiente em proporcionar alto índice de satisfação dos pacientes (85,48%).

Apesar de não ser o objetivo central do trabalho, o grupo de pacientes que respondeu ao questionário era composto somente por pacientes submetidos a rinoplastia fechada. Assim, nossos dados refletem a satisfação dos pacientes submetidos exclusivamente a rinoplastia fechada, com ou sem delivery associado. Cabe salientar, ainda, que os resultados obtidos refletem alto índice de satisfação com a estética nasal, bem como com a função respiratória.

Assim como Constantian5 e Souza Pinto et al.6, foi demonstrado que a rinoplastia fechada pode oferecer bons resultados estéticos e funcionais a longo prazo, desde que o diagnóstico pré-operatório seja acurado e os passos cirúrgicos sejam realizados de forma precisa e eficiente.

Familiares e amigos, em consonância com os pacientes, também se mostraram amplamente satisfeitos com os resultados obtidos. Os pacientes, em sua maioria, acreditaram que o melhor resultado possível foi atingido, referiram não ter limitações sociais ou profissionais, e não se submeteriam a novo procedimento cirúrgico para alterar a estética ou a função nasal.

É preciso salientar, como contraponto, que este é um estudo subjetivo, baseado na coleta de dados dos pacientes em um momento tardio de pós-operatório, que objetivava quantificar a impressão dos cirurgiões quanto aos resultados obtidos no seguimento pós-cirúrgico, e que, apesar das limitações de delineamento e poder do estudo, atingiu seu objetivo.


CONCLUSÕES

Constatou-se no presente estudo, por meio da aplicação do questionário de Alsarraf, que a rinoplastia realizada no Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre apresenta alto índice de satisfação dos pacientes.


REFERÊNCIAS

1. Faidiga GB, Carenzi LR, Yassuda CC, Silveira F, Lago T, Leite MG, et al. Long-term evaluation in aesthetic rhinoplasty in an academic referral center. Braz J Otorhinolaryngol. 2010;76(4):437-41.

2. Freiberg A, Giguère D, Ross DC, Taylor JR, Bell T, Kerluke LD. Are patients satisfied with results from residents performing aesthetic surgery? Plast Reconstr Surg. 1997;100(7):1824-33.

3. Alsarraf R. Outcomes research in facial plastic surgery: a review and new directions. Aesthetic Plast Surg. 2000;24(3):192-7.

4. Meningaud JP, Lantieri L, Bertrand JC. Rhinoplasty: an outcome research. Plast Reconstr Surg. 2008;121(1):251-7.

5. Constantian MB. Rhinoplasty: craft and magic. Saint Louis: Quality Medical; 2009.

6. Souza Pinto EB, Maloof RG, Dutra RT, Carvalho AS, Morelli LHU, Zanetta FP, et al. Rinoplastia endonasal: um estudo do grau de satisfação dos pacientes em cinco anos. Rev Bras Cir Plast. 2010;25(4):637-40.










1. Médico especialista, residente em Cirurgia Plástica na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.
2. Doutorando na Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.
3. Doutorando na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.
4. Cirurgião plástico, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), preceptor do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.
5. Doutorado em Cirurgia Plástica, membro titular da SBCP, chefe do Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, presidente da SBCP - Regional Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Correspondência para:
Gustavo de Azambuja Pereira Filho
Av. Prof. Oscar Pereira, 3.008 - Glória
Porto Alegre, RS, Brasil - CEP 91710-000
E-mail: gustavopereirafilho@gmail.com

Artigo submetido pelo SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da RBCP.
Artigo recebido: 29/8/2011
Artigo aceito: 31/10/2011

Trabalho realizado no Serviço de Cirurgia Plástica da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, Porto Alegre, RS, Brasil.


 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons