ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Extremidades - Ano 2010 - Volume 25 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

Uma das deformidades que acompanham as dismorfias consequentes a grandes perdas ponderais é a alteração do contorno braquial à custa de ptose da pele, formando uma dobra que pode estender-se para a parede lateral do tórax após cruzar a axila.


OBJETIVO

Apresentar a experiência adquirida no tratamento das deformidades braquiais enquadradas no estágio 4 e naquelas que se prolongam para a axila e tórax, bem como avaliar a satisfação das pacientes após este procedimento.


MATERIAL E MÉTODOS

Foram tratadas 18 pacientes não fumantes, todas do sexo feminino, com idades entre 23 e 66 anos (média etária 49,2 anos); com IMC de 21,1 a 43,7 kg/m2 (IMC médio 28,3 kg/m2) mantido pelo menos durante 12 meses após a gastroplastia e que equivale a uma perda de peso entre 52 e 151 kg (média de 77,6 kg). Todas as pacientes foram enquadradas no estágio 4 da classificação de Khatib, sendo que, em 9 pacientes, a deformidade não ultrapassava a axila e, nas demais, prolongava- se para parede lateral do tórax após cruzar axila. Procedeu-se à retirada de um fuso contendo todo excesso dermocutâneo até a fáscia superficialis exclusivamente. Tal fuso é demarcado, medialmente, com a paciente sentada, 1 a 2 cm acima e paralelo ao sulco braquial; com manobra de pinçamento e sem trações exageradas, estando o braço em abdução de 90º e o cotovelo com 80º de flexão, marca-se a linha posterior. Ambas estendem-se desde o epicôndilo do úmero até a margem anterior da zona pilosa da axila, onde se delimita um fuso transversal, entre as linhas axilares anterior e posterior, contendo o excesso dermocutâneo local. Excisa-se sobre as linhas demarcadas, cujo aspecto é semelhante a uma cauda de peixe voltada para a axila, retirando-se o excesso dermocutâneo, porém, sem incluir a fáscia superficialis da axila. Nas pacientes, cuja deformidade estende-se para a parede lateral do tórax, prolonga-se o fuso para esta região, contendo todo excedente. Na axila, a linha de sutura é decomposta por uma plástica em Z. Após a excisão dos excessos dermocutâneos demarcados, sutura-se a fáscia superficialis do braço à fáscia axilar, de forma a fazer uma suspensão de toda a região posterior do braço, à custa de pontos separados de poliamida 4.0. Os demais planos, o subdérmico com pontos separados, e o intradérmico com sutura contínua com fios absorventes de poliglicaprone 4 e 5.0, respectivamente. O curativo é com fitas adesivas microporosas esterilizadas trançadas como uma treliça sobre a cicatriz operatória protegida por gaze untada em pomada bactericida. Todas as cirurgias foram executadas sob anestesia geral e procedeu-se à antibioticoterapia profilática. Foram realizadas entrevistas nas pacientes com 3 meses a 11 anos de pós-operatório, com um período médio de 31,7 meses, procurando-se avaliar qualitativamente os seguintes itens: melhora da movimentação, sensação de leveza, agilidade para exercícios, facilidade para vestir-se, aparência estética, melhora do contorno corporal, qualidade da cicatriz, alteração de sensibilidade e simetria.


Figura 1 - Esquema e ilustração da demarcação das incisões no braço e cavo axilar, semelhantes à cauda de peixe.


Figura 2 - Esquema e ilustração da demarcação do fuso desde o braço até a parede lateral do tórax.


Figura 3 - Esquema e ilustração da plástica em Z no cavo axilar.



RESULTADOS

As figuras ilustram aspectos do pré e pós-operatórios, respectivamente, das ressecções braquial e braquial que se estendem até o tórax.


CONCLUSÃO

Os graus de satisfação foram considerados bons ou muito bons pela maioria das pacientes. Todavia, para uma das pacientes, o resultado final não atendeu às expectativas por alguma sobra dermocutânea, que comprometeu o resultado estético. A bibliografia atinente tem dados muito semelhantes, embora com menção a complicações, como abscessos, deiscências cicatriciais e edema, que não foram observadas na presente casuística, exceto seroma e parestesia, como foram mencionados anteriormente. A execução da plástica em Z na axila pode ser questionada com alegação de se transpor pele glabra para a pilosa e vice e versa. Ora, a plástica em Z é efetuada no meio do cavo axilar após ressecção de considerável quantidade de pele contendo pelos, de modo que esta transposição é minimamente perceptível, sobretudo em mulheres como nos casos compulsados, que mantêm o hábito da depilação. Sua execução melhora a qualidade de vida, porquanto proporciona movimentação mais ampla dos membros superiores; permite higiene mais efetiva, evitando, assim, infecções recorrentes, principalmente nas axilas. Sob aspecto estético, a permuta da redução dos volumes braquiais por uma cicatriz longa é compensadora, visto que permite o uso de vestimentas com mangas curtas, que antes constrangiam as pacientes, dada as deformidades dos braços.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons