ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Crânio, Face e Pescoço - Ano 2010 - Volume 25 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

O desenvolvimento da anti-sepsia/desinfecção revolucionou o cuidado com a saúde no final do século IX. A anti-sepsia realizada com emprego de produtos como clorexidine ou sabões específicos no campo pré-operatório está indicada. Nos pacientes submetidos à palatoplastia primária, esta limpeza não é realizada no sítio cirúrgico (cavidade oral), e sim na face, na região perioral dos pacientes.


OBJETIVO

Este estudo piloto avaliou a real necessidade da limpeza facial com solução antiséptica nos pacientes submetidos à palatoplastia primária no Centro de Atenção aos Defeitos da Face do IMIP (CADEFI).


MATERIAL E MÉTODOS

Foram randomizados (duplo cego) 44 pacientes com palatoplastia primária, divididos em 2 grupos, ambos com 22 pacientes: GA, no qual foi aplicada solução fisiológica para limpeza facial no préoperatório, e o GB, no qual foi utilizada substância de gluconato de clorexidina 2%. Todos os pacientes foram observados durante 30 dias de pós-operatório (1º, 5º, 15º e 30º dias) quanto às complicações de ordem infecciosa: presença de sinais de infecção (secreção purulenta, febre, hiperemia, dor local, calor e edema de partes moles), presença de deiscência e fistula oronasal.


RESULTADOS

Os grupos foram semelhantes quanto a: faixa etária, sexo, condições socioeducacionais, diagnóstico da fissura e técnica cirúrgica utilizada na palatoplastia. Houve 27% de complicações (infecção, fístula ou deiscência) no grupo experimental (clorexidina) e 32% no grupo controle (solução fisiológica), mas essa diferença não foi estatisticamente significativa.


CONCLUSÃO

A ação da solução fisiológica tem efeito semelhante à solução que contém clorexidina, quando utilizada no campo cirúrgico cutâneo dos pacientes submetidos à palatoplastia primária no CADEFI.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons