ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Crânio, Face e Pescoço - Ano 2010 - Volume 25 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

A insuficiência velofaríngea, em pacientes com sequela de fissura labiopalatina, foi o motivo do desenvolvimento de diversas técnicas cirúrgicas, tendo como objetivo alongar o palato mole ou aumentar a parede posterior da faringe (faringoplastias), por meio de enxertos de materiais autólogos, heterólogos, ou retalhos. Von Gaza, em 1926, descreve a primeira enxertia autóloga de gordura na parede posterior da rinofaringe através de cervicotomia. Em 2001 e 2009, Djonckere et al. e Leuchter et al., respectivamente, realizaram injeção de lipoenxerto autólogo transoral com bons resultados.


OBJETIVO

O objetivo deste trabalho foi avaliar os resultados cirúrgicos dos pacientes submetidos à lipoenxertia na parede posterior da faringe, segundo os preceitos de Coleman (faringoplastia à Coleman), por meio dos resultados fonoaudiológicos obtidos por nasofibroscopia.


MATERIAL E MÉTODOS

Foi realizado um estudo retrospectivo em 21 pacientes fissurados com insuficiência velofaríngea, todos submetidos à faringoplastias no Hospital SOBRAPAR, em Campinas, SP, no período entre junho de 2008 e dezembro de 2009. O critério de exclusão foi a realização concomitante de procedimentos no palato mole. A avaliação fonoaudiológica foi realizada por uma fonoaudióloga e um cirurgião plástico, sempre os mesmos, por meio de nasofibroscopias no pré-operatório e pós-operatórios de 3 e 6 meses. As variáveis avaliadas foram: tamanho do hiato velofaríngeo e ressonância. A análise estatística foi realizada pelos testes de ANOVA, igualdade de duas proporções e intervalo de confiança para a média. O Pvalor foi definido independente para cada teste.


Figura 1



RESULTADOS

Foi realizada lipoenxertia em 21 pacientes, 4 sendo excluídos por perda de seguimento ou realização de outro procedimentos concomitantes no palato. Desta maneira, 17 pacientes, 7 do sexo masculino e 10 do feminino, foram submetidos a faringoplastia à Coleman, com tempo cirúrgico entre 30 e 70 minutos (média de 46,9 minutos). O volume lipoenxertado variou de 3 a 20 ml (média de 10,7 ml). Não foram observadas complicações. Houve aumento da incidência de hiatos velofaríngeos puntiformes (p>0,05) e pequenos (p=0,019), redução da incidência de hiatos velofaríngeos médios (p=0,006) e grandes (p>0,05). Quanto à ressonância, os pacientes apresentavam hipernasalidade, sendo que houve aumento da incidência dos pacientes classificados como normal (equilíbrio oronasal) e leve, redução da incidência dos pacientes classificados como moderada e severa (p>0,1 para todos).


Figura 2


Figura 3



CONCLUSÃO

A faringoplastia à Coleman é um procedimento de fácil realização, relativamente rápido e seguro. O mesmo não impossibilita a realização de novos procedimentos na parede posterior da faringe ou palato. Houve redução das dimensões dos hiatos velofaríngeos médios, sendo, portanto, uma opção de tratamento de insuficiência velofaríngea nesses casos.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons