ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Ideias e Inovações - Ano 2010 - Volume 25 - Número 2

ABSTRACT

Background: Breast reconstruction is complete when the nipple-areola complex (NAC) is reconstructed. Models can be used to train young surgeons, it been a simulator exercise. A model of NAC reconstruction training is the purpose of the this paper. Methods: Ten zone IV TRAM flaps were utilized to the purpose of the study. First, the trainee executes the NAC reconstruction using the flaps techniques supervised by a teacher. Afterwards, the technique skills are used on real situation in the operation room. Results: The model was used by all trainees who acquire technique skills, which was used on real situation. Conclusion: The NAC reconstruction in zone IV TRAM flap is feasible.

Keywords: Nipples/surgery. Surgical flaps. Training. Surgery, plastic/education.

RESUMO

Introdução: A reconstrução mamária está completa quando é realizada a reconstrução do complexo aréolo-papilar (CAP). Modelos de treinamento têm agregado benefícios, sendo exercícios de simulação. Apresenta-se um modelo para treinamento em reconstrução do CAP. Método: Selecionou-se dez pacientes, nos quais a zona IV do retalho miocutâneo transverso do músculo reto abdominal (TRAM) foi utilizada para instrução em duas técnicas de retalhos para confecção do CAP. Resultados: O modelo de treinamento foi aplicado em todos os casos, tendo os residentes adquirido habilidades e domínio da técnica, demonstrando segurança na reconstrução dos casos clínicos. Conclusão: A reconstrução do CAP com zona IV do retalho TRAM é um modelo de treinamento útil.

Palavras-chave: Mamilos/cirurgia. Retalhos cirúrgicos. Capacitação. Cirurgia plástica/educação.


INTRODUÇÃO

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo, com um risco estimado de 51 casos a cada 100 mil mulheres1, o que implica em um grande número de reconstruções mamárias. A reconstrução do complexo aréolo-papilar (CAP) é o último estágio desta e produz grande benefício para a imagem corporal da paciente2,3.

Obter bons resultados cirúrgicos com mínimas ou sem complicações requer treinamento consistente, sendo a sala de cirurgia o melhor ambiente para aprendizado. A suplementação dessa formação com modelos de treinamento é um caminho avançado para produzir um seguro e bem treinado cirurgião plástico4,5.

O objetivo deste trabalho é descrever um modelo de treinamento em reconstrução do CAP, capaz de reduzir a curva de aprendizado de residentes em Cirurgia Plástica, utilizando a zona IV do retalho miocutâneo transverso do músculo reto-abdominal (TRAM).


MÉTODO

Um protocolo experimental e respectivo termo de consentimento informado foram estabelecidos e aprovados pelo Conselho de Ética de nossa instituição.

Dez pacientes portadoras de câncer de mama foram submetidas à reconstrução de mama com retalho TRAM.

Durante o procedimento cirúrgico, a zona IV do retalho TRAM monopediculado, que rotineiramente é desprezada, foi utilizada para treinamento em reconstrução do CAP. Cada residente foi instruído na marcação, dissecção e montagem da papila pela técnica de skate flap (n=5) ou técnica purse string (n=5). Após o treinamento, cada residente realizou uma reconstrução in vivo.


RESULTADOS

O modelo foi aplicado a todos os residentes entre 2006 e 2009. Os residentes aval iaram como muito proveitoso o treinamento em espécimes ex vivo, tornando o procedimento bastante simplificado ao aplicá-lo clinicamente (Figuras 1 e 2).


Figura 1 - Reconstrução do CAP em modelo de treinamento. A e B: realização do treinamento sob supervisão da preceptoria. C e D: marcação e aspecto final da reconstrução de CAP em zona IV do retalho TRAM.


Figura 2 - Reconstrução do CAP. A e C: aspecto pré-operatório. B e D: aspecto pós-operatório.



DISCUSSÃO

A reconstrução mamária tem cada vez mais assumido um papel central no tratamento do câncer de mama em decorrência dos comprovados benefícios psicoemocionais para as pacientes6. Este aumento da procura por reconstrução mamária acompanha-se também de alto grau de exigência quanto aos resultados.

No modelo proposto, o cirurgião plástico em formação pode adquirir destreza para realizar este procedimento em situação real. Grunwald et al.7 afirmam que o futuro do treinamento cirúrgico não irá envolver pacientes até que o residente demonstre competência em um procedimento particular usando simuladores. Modelos têm mostrado que as habilidades adquiridas são transferíveis para situações em sala de operações8.

Em outro trabalho, Waterston & Butterworth4 sugerem o uso de material sintético para treinamento em reconstrução do CAP. O uso deste material não implica em risco de transmissão de doenças infecto-contagiosas e questionamentos éticos. Porém, o uso de pele fresca tem a vantagem de assemelhar-se ao tecido a ser trabalhado em casos clínicos.


CONCLUSÃO

O treinamento do cirurgião plástico em reconstrução do CAP é facilitado pelo modelo proposto, utilizando a zona IV do TRAM monopediculado.


REFERÊNCIAS

1. Instituto Nacional de Câncer. Estimativas 2008: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA;2007. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2008/index.asp?link=conteudo_view.asp&ID=5.

2. Tatlidede S, Yesilada AK, Egemen O, Bas L. A new technique in nipple reconstruction: dome technique with double pedicle. Ann Plast Surg. 2008;60(2):141-3.

3. Carranashi F, Nakayama LI, Wells A. Reconstrução do complexo aréolo-papilar. In: Carreirão J, Cardim V, Goldenberg D, editores. Cirurgia Plástica. Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. São Paulo: Atheneu; 2005. p.589-95.

4. Waterston SW, Butterworth M. A simple model for patient and trainee education in nipple areola reconstruction. Ann Plast Surg. 2006;57(3):357-8.

5. Khan MS, Bann SD, Darzi A, Butler PE. Assessing surgical skill. Plast Reconstr Surg. 2003;112(7):1886-9.

6. Hartrampf C, Scheflan M, Black PW. Breast reconstruction with a transverse abdominal island flap. Plast Reconstr Surg. 1982;69(2):216-25.

7. Grunwald T, Krummel T, Sherman R. Advanced technologies in plastic surgery: how new innovations can improve our training and practice. Plast Reconstr Surg. 2005;114(6):1556-67.

8. Wanzel KR, Matsumoto ED, Hamstra SJ, Anastakis DJ. Teaching technical skills: training on a simple, inexpensive, and portable model. Plast Reconstr Surg. 2002;109(1):258-63.









1. Membro aspirante da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), Residente do 3º ano do Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia Reconstrutiva do HUWC/UFC.
2. Membro Associado da SBCP.
3. Membro Titular da SBCP, Regente do Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia Reconstrutiva do HUWC/UFC.

Trabalho realizado no Hospital Universitário Walter Cantídio - Universidade Federal do Ceará, Serviço de Cirurgia Plástica e Microcirurgia Reconstrutiva, Divisão de Reconstrução Mamária, Fortaleza, CE.

Correspondência para:
Allysson Antonio Ribeiro Gomes
Rua Thomas Pompeu, 550 apto. 203 - Meireles
Fortaleza, CE, Brasil - CEP 60160-080
E-mail: aaribgomes@hotmail.com

Artigo submetido pelo SGP (Sistema de Gestão de Publicações) da RBCP.

Artigo recebido: 28/9/2009
Artigo aceito: 4/2/2010

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons