ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Carta ao Editor - Ano 2019 - Volume 34 - Número 2

http://www.dx.doi.org/10.5935/2177-1235.2019RBCP0151

Cumprimentos,

A ginecomastia é um problema cosmético comumente tratado com uma taxa de incidência mundial de 32- 36%1. No exame clínico a ginecomastia é classificada em função da quantidade de tecido mamário e a frouxidão da pele sobre o peito. A classificação de Simon é simples e amplamente utilizada2. Todavia um fator adicional que avaliamos é o tom da pele. De uma forma simples, enquanto o excesso de pele é a pele solta por cima do tecido mamário, o tom da pele é a capacidade inerente da pele em encolher e contrair após a cirurgia. De acordo com Simon, a ginecomastia é classificada como segue:

    • Grau 1: Pequeno aumento visível da mama sem excesso de pele;

    • Grau 2a: Aumento moderado da mama sem excesso de pele;

    • Grau 2b: Aumento moderado da mama com excesso de pele;

    • Grau 3: Aumento grande da mama com excesso de pele.

Enquanto o excesso de pele tem uma progressão linear dos graus 1 a 3, o tom de pele pode ser independente disso. E esse fator frequentemente negligenciado pode ser a diferença entre um peito bem esculpido e um resultado médio.

A revisão da classificação que sugerimos é a seguinte:

    • Grau IT: Pequeno aumento, Sem excesso de pele, Tom de Pele Normal

    • Grau 1L: Pequeno aumento, Sem excesso de pele, Tom de Pele Pobre (L indicando frouxidão)

    • Grau IIAT: Aumento moderado, Sem excesso de pele, Tom de Pele Normal

    • Grau IIAL: Aumento moderado, Sem excesso de pele, Tom de Pele Pobre

    • Grau IIBT: Aumento moderado, Excesso mínimo de pele, Tom de Pele Normal

    • Grau IIBL: Aumento moderado, Excesso mínimo de pele, Tom de Pele Pobre

    • Grau IIIT: Aumento grande, Excesso significativo de pele, Tom de Pele Normal

    • Grau IIIL: Aumento grande, Excesso significativo de pele, Tom de Pele Pobre

Isto nos dá uma melhor imagem e avaliação de quão provável a pele vai encolher para o mesmo grau de ginecomastia. Por exemplo, um homem com ginecomastia grau 2a de Simon pode ter um tom de pele muito pobre que pode levar a uma retração da pele imperfeita mesmo depois de uma cirurgia semelhante em outro indivíduo com o mesmo grau de ginecomastia. Assim que o cirurgião leva em conta o tom da pele, ele pode até prever a extensão da escultura da pele que pode ser obtida após a cirurgia de ginecomastia. É claro que o tom da pele pode ser afetado por vários fatores como tabagismo, diabetes, saúde geral, etc. Usar essa classificação revisada não apenas prediz o resultado cirúrgico em termos de esculpir a pele, mas também ajuda a acompanhar e comparar diferentes pacientes com o mesmo grau de uma forma mais precisa.

COLABORAÇÕES

SH

Análise e/ou interpretação dos dados, análise estatística, aprovação final do manuscrito, aquisição de financiamento, coleta de dados, conceitualização, concepção e desenho do estudo, gerenciamento de recursos, gerenciamento do projeto, investigação, metodologia, realização das operações e/ou experimentos, redação - preparação do original, redação - revisão e edição, software, supervisão, validação, visualização.

REFERÊNCIAS

1. Petty PM, Solomon M, Buchel EW, Tran NV. Gynecomastia: evolving paradigm of management and comparison of techniques. Plast Reconstr Surg. 2010;125(5):1301-8.

2. Simon BE, Hoffman S, Kahn S. Classification and surgical correction of gynecomastia. Plast Reconstr Surg. 1973;51(1):48-52.











1. Contura Clinic, Plastic and Cosmetic Surgery, Bengaluru, Karnataka, India.

Instituição: Contura Clinic, Plastic and Cosmetic Surgery, Bengaluru, Karnataka, India.

Autor correspondente: Sreekar Harinatha, 2nd Floor, Above KFC, 80 feet Kammanahalli Main road, HRBR 3rd Block, Kalyan Nagar, Bengaluru, Karnataka, Índia, CEP: 560043. E-mail: drsreekarh@yahoo.com

Artigo submetido: 02/03/2018.
Artigo aceito: 16/04/2019.

Conflitos de interesse: não há.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons