ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Tórax e Tronco - Ano 2013 - Volume 28 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

No Brasil, excluindo-se os tumores de pele não-melanoma, o câncer de mama é o mais incidente em mulheres. Segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde, a taxa de incidência em 2012 chega a 52,5 casos por 100 mil mulheres. O principal objetivo do tratamento do câncer de mama é permitir o máximo controle da doença com a mínima mutilação, o que pode ser alcançado em grande parte dos casos usando a quadrantectomia associada à linfadenectomia axilar ipsilateral, com ou sem radioterapia adjuvante. As conhecidas vantagens da quadrantectomia são preservação do complexo areolopapilar com sua vascularização e inervação, excetuando os casos de neoplasias no quadrante central da mama, e manutenção da forma natural da mama, permitindo a opção de ser simetrizada com a mama saudável. No entanto, para que a paciente tenha resultado estético satisfatório é necessário dispor de técnicas de reparação, a fim de evitar deformidades estigmatizantes.


OBJETIVO

O presente estudo teve como finalidade propor reconstrução imediata da mama após quadrantectomia superior externa utilizando a conhecida técnica de zetaplastia, a fim de minimizar deformidades e complicações cicatriciais na mama operada.


MÉTODO

Apresentamos uma série de casos em que todas as pacientes incluídas eram mulheres submetidas a ressecção de tumor maligno de mama do quadrante superior externo por equipe especializada (mastologia, cirurgia oncológica), que tiveram a mama reconstruída pela equipe de cirurgia plástica utilizando a técnica de reconstrução imediata com zetaplastia. Em todos os casos, a lesão mamária era < 2 cm. A técnica operatória padronizada aplicada a todos os casos foi aseguinte: pacienteencontrada em status pós-quadrantectomia superior externa; verificado tamanho do defeito; realizado planejamento operatório do retalho local em "Z" para colocar a cicatriz nas linhas de força da pele da mama; desenho das linhas que compõem o retalho com azul de metileno nas bordas do defeito, respeitando a proporção do "Z" com ângulo de 60 graus entre as linhas; incisão por planos dissecando os retalhos em sua espessura total (pele, derme e glândula mamária) com bisturi frio e elétrico; hemostasia; passagem do dreno de sucção contínua número 4.8 por contraincisão na linha axilar anterior; rotação dos retalhos e montagem para conformação de ''Z'' utilizando pontos de mononáilon 3.0 para reparo; síntese do plano subdérmico com pontos separados com nó sepultado utilizando fio mononáilon 4.0; e síntese do plano intradérmico com sutura contínua utilizando fio monocryl 4.0. Como resultado no pós-operatório imediato obtém-se, de maneira geral, uma mama com forma natural preservada.


RESULTADOS

Foram operadas 8 pacientes utilizando a técnica proposta neste trabalho, das quais 4 tiveram sua mama direita operada e 4, a mama esquerda. Três pacientes foram submetidas a esvaziamento ganglionar axilar pela equipe da mastologia e, após quadrantectomia superior externa com reconstrução imediata utilizando zetaplastia, apresentaram discreta deformidade em afundamento do oco axilar; no entanto, todas as pacientes ficaram satisfeitas com o resultado estético e não houve necessidade de nova cirurgia plástica em nenhum dos casos. Tal deformidade axilar é praticamente inaparente nas visões frontal e lateral e nenhuma paciente teve queixas sobre a deformidade. Os resultados pós-operatórios foram bastante satisfatórios, demonstrando a possibilidade de utilização da técnica como opção bastante útil na reconstrução imediata de defeitos pós-quadrantectomia superior externa.


CONCLUSÃO

O retalho local de zetaplastia mostrou-se efetivo para reconstrução imediata da mama após quandrantectomia superior externa, ao manter as proporções da unidade estética da mama, e coroou mais uma vez a versatilidade do retalho em "Z".

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons