ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Print: 1983-5175

Previous Article Next Article

Body and Chest - Year2013 - Volume28 - (3 Suppl.1)

OBJETIVO

Comparar o tempo de internação, os resultados estéticos e os custos entre o tratamento com Omiderm® e o uso de terapia convencional em pacientes grandes queimados.


MÉTODO

Realizado estudo de coorte, prospectivo, envolvendo pacientes grandes queimados, admitidos e tratados no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Estadual Vereador Melchiades Calazans, a partir de 14 de março de 2013. Até a data da finalização do presente estudo, foram incluídos 23 pacientes, com idades variando entre 18 anos e 62 anos, com graus, regiões e extensões variados de queimaduras, alocados aleatoriamente em dois grupos. Foram incluídos no estudo pacientes com superfície corporal queimada > 25%, de ambos os sexos, com idade > 18 anos, independentemente de etnia, grau, localização e agente causal da queimadura. Durante a primeira entrevista, todos os pacientes foram informados detalhadamente sobre os tratamentos e as possíveis complicações e assinaram Termo de Consentimento Informado. A coleta de dados foi realizada por avaliadores distintos dos responsáveis pelo estudo. Todos os pacientes foram avaliados e acompanhados clinicamente durante toda a internação. Já no primeiro atendimento, o desbridamento cirúrgico, realizado sob anestesia, permitiu a retirada de bolhas, epitélio morto e corpos estranhos. Nos primeiros dois dias, os pacientes foram submetidos a banhos diários com água corrente, limpeza das lesões com solução antisséptica, clorexidina e curativos oclusivos com sulfadiazina de prata a 1%. Aqueles com extremidades com queimaduras profundas circulares ou perfusão periférica lentificada receberam escarotomia ou fasciotomia. Após o terceiro dia de internação, esses pacientes foram separados aleatoriamente em dois grupos: um grupo recebeu tratamento convencional e autoenxertia (grupo 1) e o outro grupo foi tratado com Omiderm® e autoenxertia (grupo 2). O grupo 1 foi constituído de 13 pacientes, que continuaram recebendo banhos diários e curativos com sulfadiazina de prata a 1%, trocados diariamente, até granulação das lesões e realização das autoenxertias. O grupo 2 foi constituído de 10 pacientes, que receberam banhos com solução antisséptica no terceiro dia e curativos Omiderm®, na forma lisa, filmes de poliuretano e acrilamida comercial em pó. Trata-se de um curativo utilizado no tratamento de lesões cutâneas de queimaduras de 1º e 2º graus. Esse curativo permaneceu na ferida até epitelização e desprendimento em até 7 dias, exceto nas feridas muito exsudativas, com necessidade de recolocação dos curativos, em que as trocas foram realizadas a cada 24-48 horas. Após retirada do curativo, foi realizada autoenxertia entre 14 dias e 69 dias pós-queimadura. Os pacientes foram avaliados quanto a presença de infecção, tempo de cicatrização, tempo de internação até a alta hospitalar e aparência da lesão.Após a alta, os pacientes foram acompanhados por 3 meses, sendo avaliados a cada mês, para manutenção da integração dos enxertos, qualidade estética e funcional.


RESULTADOS

Dentre os 23 pacientes incluídos no estudo, com média de idade de 42 anos, 13 (56,52%) receberam tratamentos convencionais e 10 (43,48%), curativo Omiderm®. No grupo 1, 4 pacientes apresentaram infecção nas feridas operatórias, que evoluíram com resolução completa após administração de antibioticoterapia. No grupo 2, 3 pacientes apresentaram infecção nas feridas, com resolução completa com uso da antibioticoterapia. No grupo 1, o tempo de cicatrização incluiu o tempo até a granulação, que, somado ao tempo até a completa integração do enxerto, totalizou 42 dias. No grupo 2, o tempo de cicatrização em feridas de 2º grau superficial foi de 10 dias, enquanto em queimaduras profundas a cicatrização ocorreu entre 12 dias e 15 dias. Quanto ao tempo de internação, os pacientes do grupo 1 estiveram internados por um período médio de 30 dias. A aparência das lesões foi satisfatória em ambos os grupos, sendo a qualidade estética melhor no grupo 2. A média da superfície corporal queimada entre todos os pacientes foi de 33%. Todos os curativos foram avaliados, nos retornos ambulatoriais, quanto ao aspecto das áreas enxertadas e à qualidade das lesões. No caso de curativos Omiderm®, foram utilizados dados disponíveis na literatura a respeito de pesquisas e testes clínicos realizados com alguns biomateriais, já que seu uso em hospitais deve ser justificado, em decorrência do alto custo desses curativos.


CONCLUSÃO

A análise comparativa entre os dois grupos de pacientes demonstrou a superioridade do tratamento com Omiderm® em relação à terapia convencional, com reduçãodoperíododeinternação,melhor qualidade estética e, apesar do alto custo inicial, diminuição do custo global da terapia, justificando sua utilização.

 

Previous Article Back to Top Next Article

Support

Indexers

Licença Creative Commons All scientific articles published at www.rbcp.org.br are licensed under a Creative Commons license