ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Print: 1983-5175

Previous Article Next Article

Skull, Face and Neck - Year2013 - Volume28 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

A fotografia é uma forte arma do cirurgião plástico na documentação de seus pacientes. Entretanto, apresenta vieses quando não aplicada corretamente. O domínio da habilidade fotográfica básica deve fazer parte da rotina do cirurgião. Controle da câmera, do ambiente e da posição do paciente é indispensável. O nariz é uma estrutura complexa por estar no centro da face e por apresentar relevo peculiar. No período da residência médica, a fotografia colabora também com o planejamento da cirurgia pelo residente, contribuindo com o ensino em rinoplastia.


OBJETIVO

Demonstrar um plano de sistematização para registro fotográfico com câmeras compactas (point-and-shoot).


MÉTODO

Descrição da técnica utilizada para padronização das fotografias pré-operatórias em rinoplastia no Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (Porto Alegre, RS). Para realização das fotografias pré-operatórias utilizamos máquina fotográfica point-and-shoot, da marca Sony (sem conflito de interesses). A distância entre paciente e câmera é padronizada por uma linha situada a 1,5 m do paciente. O flash dessas câmeras é acoplado, tendo-se o cuidado de direcioná-lo perpendicularmente ao nariz. Utilizamos tecido preto ao fundo do paciente para contextualizar o ambiente, sem distrair o observador. Utilizamos somente zoom óptico, estabelecendo-se aproximação em três vezes. O rosto do paciente não deve conter distrações. Portanto, solicitamos retirada de joias, como brincos ou piercings (sempre que possível). Posicionamos o cabelo atrás das orelhas. O paciente é fotografado em 7 incidências: frontal, semiperfil (bilateral) a 45 graus, perfil (bilateral), vista inferior e vista superior. A altura da câmera em relação ao solo é nivelada para ficar na altura do nariz. Mantemos na horizontal o plano de Frankfort, isto é, a parte mais superior do conduto auditivo com o rebordo orbitário. A distância focal é mantida, para que não haja distorções entre as análises pré e pós-operatória. Na hora de fotografar, é importante: no plano frontal, verificar a simetria dos olhos e das orelhas; no plano semiperfil, prestar atenção na posição da ponta nasal (preferimos a ponta nasal antes do término da região malar, para que o contorno nasal não se misture com o contorno facial); no plano perfil, é importante observar que o supercílio contralateral não apareça, embora a inclusão da orelha nos planos seja adequada, para visualizar o contexto facial; na vista inferior, observar a ponta nasal entre os supercílios; e na vista inferior, captar os supercílios alinhados no horizonte no terço inferior da foto. Como não dispomos, no hospital, de estúdio fotográfico com iluminação controlada, utilizamos a iluminação do ambiente. Dessa maneira, a utilização do flash deve minimizar o aparecimento de sombras. A melhor maneira é com o flash de frente para o objeto (nariz), deixando a sombra atrás do paciente. Todos os pacientes assinam consentimento informado para cirurgia, que consta de autorização para realizar fotografias com fins de documentação científica, documentação médica, divulgação no meio médico e ensino.


RESULTADOS

Pode-se observar boa reprodutibilidade da anatomia nasal, adequada posição dos pacientes nas fotos, com confiabilidade na análise da fotografia pré e pós-operatória. No transoperatório, as fotografias podem ser utilizadas para constantemente reavaliar a modificação das estruturas. A análise das estruturas nasais depende da incidência da fotografia: vista frontal, analisa a base e o radix nasal e demonstra assimetrias e curvaturas (assimetrias faciais podem especialmente ser vistas nessa incidência); vista oblíqua, muito importante na demonstração de deformidades supra-apicais (supratip); vista de perfil, visualização do dorso, projeção da ponta; vista inferior, visualização da base nasal, relação columela-lóbulo, aberturas narinárias, desvio de ponta nasal; e vista superior, demonstra o alinhamento do dorso.


CONCLUSÃO

A fotografia tem papel central na documentação do paciente candidato a cirurgia do nariz. A padronização realizada em nosso serviço é sistematizada e reprodutível, auxiliando no planejamento cirúrgico, bem como no ensino da rinoplastia em serviços terciários. A facilidade em manipular uma câmera compacta e a qualidade aceitável do registro fazem da fotografia uma excelente opção de meio de documentação.

 

Previous Article Back to Top Next Article

Support

Indexers

Licença Creative Commons All scientific articles published at www.rbcp.org.br are licensed under a Creative Commons license