ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Crânio, Face e Pescoço - Ano 2013 - Volume 28 - (3 Suppl.1)

OBJETIVO

Avaliar os resultados do implante da biocerâmica de hidroxiapatita granulada em determinadas unidades da face: região frontal, malar, dorso nasal e mento. Os pacientes foram acompanhados durante um período médio de 2 anos, sendo analisadas a satisfação dos pacientes com a melhora estética, a durabilidade dos resultados e as complicações.


MÉTODO

O estudo foi realizado de forma retrospectiva, sendo analisados 8 pacientes submetidos a implante de biocerâmica nas regiões frontal, dorso nasal, malar e mento. Para o registro, foram tiradas fotografias de perfil, frontal e em ângulo de 45 graus. Os resultados foram analisados de forma subjetiva pelos pacientes, sendo classificados em 3 categorias: ótimo, bom e regular. Houve acompanhamento dos pacientes durante um período de 2 anos e foi analisada a ocorrência de complicações. Uma paciente do sexo feminino, de 55 anos de idade, com trauma na região frontal e presença de afundamento do osso frontal, foi submetida a implante da biocerâmica no defeito ósseo através de incisão cirúrgica realizada sobre a cicatriz prévia. O material foi depositado no plano subperiostal. Três pacientes do sexo feminino, com idades de 40 anos, 47 anos e 51 anos, com hipotrofia malar, foram submetidas ao preenchimento dessa região, com o objetivo de harmonização da estética facial. Realizada incisão transconjuntival e cantotomia lateral da pálpebra, bem como dissecção subperiostal para implante do material aloplástico. Em um paciente do sexo masculino, de 33 anos de idade, e 2 do sexo feminino, e 25 anos e 37 anos de idade, com hipognatismo, foram realizados implantes de biocerâmica com o intuito de projeção do mento, por meio de incisão na mucosa oral e dissecção subperiostal. Um paciente do sexo masculino, de 38 anos de idade, com afundamento do nasion decorrente de trauma contuso, foi submetido a colocação do biomaterial através de incisão intercartilaginosa, deslocamento subperiostal do nasion e injeção da hidroxiapatita com seringa de 1 ml. O material utilizado foi biocerâmica fosfocálcica bifásica micromacroporosa de hidroxiapatita e fosfato cálcico, comporos de 40µm a 60µm, da marca Osteosynt, registrada na ANVISA sob o número 10273030001. Cada frasco do produto contém 5 g de biocerâmica. Em cada indivíduo foram utilizados, em média, 5 g desse produto. Os procedimentos cirúrgicos foram realizados sob anestesia geral. No preparo da biocerâmica de hidroxiapatita, cada frasco de 5 g foi misturado a 5 ml de sangue do paciente, para hidratação do material. Isso permite a manipulação dos grânulos com maior facilidade, formando uma massa que pode ser moldada no local do implante e evita que os grânulos se fixem nos tecidos adjacentes. Todos os implantes foram colocados no plano subperiostal.


RESULTADOS

A maioria dos pacientes ficou satisfeita com os resultados oriundos do implante da hidroxiapatita. Sete pacientes avaliaram os resultados como ótimo e um paciente ficou descontente com o procedimento, obtendo-se satisfação total de 87%. Durante o acompanhamento, foi evidenciada uma complicação decorrente de infecção do implante colocado no mento através de incisão intraoral, o que ocorreu no 14º dia de pós-operatório. Essa paciente utilizava aparelho ortodôntico, o que aumenta a flora bacteriana oral. Nessa paciente, foi necessária a retirada de todo o material, que, em decorrência da infecção, não apresentou solidificação. Essa paciente classificou o resultado como regular. As demais complicações, como seroma e deformidade estética por volume inadequado, não foram evidenciadas no trabalho. Em relação à manutenção dos resultados, houve permanência do aumento da projeção facial.


CONCLUSÃO

Embora os estudos não relatem a superioridade da hidroxiapatita em relação aos demais aloplásticos, o biomaterial apresenta características que o tornam um excelente material para o aumento da projeção facial e proporciona bons resultados estéticos.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons