ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Artigo Anterior Próximo Artigo

Tórax e Tronco - Ano 2012 - Volume 27 - (3 Suppl.1)

OBJETIVO

Revisar uma série de casos de pacientes submetidos à mastoplastia de aumento por via axilar.


MÉTODO

Estudo retrospectivo de 50 pacientes submetidas a mamoplastia de aumento por via axilar no Hospital Universitário Pedro Ernesto, no período entre Junho de 2009 e Janeiro de 2012. Os critérios de inclusão foram: hipoplasia das mamas ou flacidez cutânea sem ptose.As pacientes foram avaliadas por um período de 1 mês, 3 e 6 meses pós-operatório quanto a complicações e pela análise subjetiva da satisfação com o procedimento e qualidade da cicatriz, através de um escore de 1 a 4, em que 1 = insatisfeita; 2 = satisfeita, porém não repetiria o procedimento; 3 = satisfeita e repetiria o procedimento; 4 = muito satisfeita. A marcação da incisão deve ser realizada com a paciente em pé ou sentada. Utiliza-se a prega axilar em sua porção mais anterior como parâmetro para a incisão, que deve medir aproximadamente 3,5 a 4 cm. Como algumas pacientes não possuem pregas axilares bem definidas, podemos utilizar a borda lateral do músculo peitoral maior como parâmetro para o posicionamento da incisão, que deverá se localizar no sulco formado entre o músculo e o oco axilar. A cirurgia é realizada sob anestesia local com sedação. A paciente é colocada em decúbito dorsal, com elevação do dorso de aproximadamente 30 graus. Iniciamos com a infiltração da área com solução anestésica e, a seguir, incisa-se a pele e o tecido celular subcutâneo subjacente. Após a visualização da borda lateral do músculo peitoral maior, inicia-se a dissecção, no plano subglandular, da loja mamária. O túnel de dissecção criado entre a incisão e a loja mamária deve ser de tamanho suficiente para a inserção do implante, evitando-se dissecções amplas para que não haja comunicação entre a loja do implante e a incisão. O descolamento é realizado com eletrocautério e descolador rombo, que também auxilia na averiguação do sulco submamário. O descolamento deve proceder-se 0,5 cm abaixo do sulco submamário, já que pela via transaxilar os implantes possuem uma tendência de se posicionarem um pouco mais altos. A seguir, insere-se o implante previamente selecionado na loja criada, que é ajustado em sua posição ideal. O tecido celular subcutâneo é aproximado com suturas simples de nylon 3-0 e a pele fechada com uma sutura contínua intradérmica de nylon 4-0. Não há necessidade na utilização de drenos.


RESULTADOS

Todas as pacientes foram operadas de acordo com a padronização técnica descrita, por residentes, porém sob supervisão de um mesmo cirurgião. Todos os implantes utilizados foram de silicone, texturizados, perfil alto e redondos com o tamanho variando entre 195 e 305 cc, provenientes de duas empresas distintas. O tempo médio operatório foi de 80 minutos e o tempo médio de internação foi de 24 horas. Em um total de 50 pacientes, 10% (n=5) apresentaram algum tipo de complicação. Das 3 pacientes que apresentaram hematoma, em uma foi necessária a reabordagem cirúrgica, porém nas outras apenas a punção percutânea foi suficiente como tratamento conservador. A paciente que apresentou infecção de ferida operatória compatível com micobacteriose teve seu diagnóstico comprovado pelo quadro clínico e análise anatomopatológica e cultura bacteriológica de fragmentos de pele, glândula mamária sobrejacente e da cápsula. Esta paciente realizou tratamento clínico e teve que ser submetida a cirurgia para retirada dos implantes. A contratura capsular (Baker tipo III) observada ocorreu na paciente que apresentou hematoma no pós-operatório precoce e que havia sido tratada de forma conservadora. Não foram evidenciados seromas, deslocamentos do implante, queloides ou cicatrizes hipertróficas, parestesias tardias do complexo aréolo-papilar ou face interna dos braços. O grau de satisfação com o procedimento e a qualidade da cicatriz foram avaliadas com 6 meses de pós operatório. A maioria (n=40, 90%) das pacientes ficou muito satisfeita e 10% (n=10) se consideraram satisfeitas e repetiriam o procedimento, inclusive as que apresentaram complicações. A paciente que apresentou contratura capsular foi reoperada após o diagnóstico, através da troca da loja do implante para submuscular. A paciente com o diagnóstico primário de micobacteriose realizou nova cirurgia para recolocação dos implantes após o tratamento clínico e liberação do serviço de Infectologia.


CONCLUSÃO

A abordagem transaxilar nas mamoplastias de aumento se mostrou um método seguro, com resultados previsíveis, baixa taxa de complicações e com alto índice de satisfação das pacientes que não desejam cicatrizes aparentes.

 

Artigo Anterior Voltar ao Topo Próximo Artigo

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons