ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Print: 1983-5175

Previous Article Next Article

Body and Chest - Year2011 - Volume26 - (3 Suppl.1)

INTRODUÇÃO

A terapia por pressão negativa promove aumento da perfusão tecidual, enquanto remove debris da ferida, diminuindo a possibilidade de contaminação bacteriana, favorecendo a contração cicatricial, ajudando a aproximar as margens da ferida. Uma das alternativas de aplicação observada foi o uso em pacientes que são submetidos à peritoneostomia, seja devido a peritonites difusas ou síndrome compartimental abdominal pós-trauma ou cirúrgica.


OBJETIVO

Relatar um caso de pós-operatório de reconstrução de parede abdominal que evoluiu com síndrome compartimental abdominal e consequente peritoneostomia tratada por meio de terapia de pressão negativa. Demonstrar o uso do curativo a vácuo em peritoneostomia, favorecendo e preparando o leito da ferida para ser submetido a retalhos, enxerto ou fechamento primário da parede abdominal. Comparar o tempo de fechamento da ferida abdominal com o vácuo com os dados da literatura.


RELATO DO CASO

Estudo de caso com acompanhamento diário, no período de maio a julho de 2011, no Hospital Federal do Andaraí, de uma paciente de 44 anos, obesa, hipertensa, diabética, portadora de DPOC, apresentando colelitíase e volumosa hérnia incisional abdominal recidivada há 6 anos, em que foi indicada realização de colecistectomia e hernioplastia. Realizou-se colecistectomia convencional, redução do conteúdo herniário, reconstrução de parede abdominal com uso de tela de polipropileno e abdominoplastia multifuncional em âncora. No 2º dia de pós-operatório, a paciente evoluiu com síndrome compartimental e foi prontamente submetida a laparotomia e descompressão abdominal, com colocação de tela de Proceed e "peritoneostomia". Optou-se pelo uso do curativo a vácuo com esponja específica abdominal, para o qual foi determinada pressão de 125 mmmHg, contínua, trocas a cada 3 dias. Foi realizado acompanhamento na realização dos curativos e levantamento das necessidades da ferida. A ferida operatória apresentou boa evolução, com formação de tecido de granulação sobre toda a sua extensão em 40 dias (10 trocas), aproximação das bordas e redução da superfície em 60% em 40 dias (10 trocas) e de 80% em 50 dias. Foi mantido débito diário de, em média, 500 ml de secreção serosa. O leito apresentou-se com boas condições de autoenxertia em cerca de 40 dias, no entanto, foi preferido postergar a autoenxertia cutânea devido às condições clínicas da paciente.


DISCUSSÃO

A reconstrução abdominal após laparostomia é sempre um procedimento desafiador para o cirurgião devido à necessidade de se corrigir um grande defeito na parede abdominal anterior, o que habitualmente demanda a lise de extensas aderêcias entre alças intestinais e o tecido cicatricial, sem que a hérnia incisional seja o resultado final. A terapia por pressão negativa promove aumento da perfusão tecidual, enquanto remove debris da ferida, diminuindo a possibilidade de contaminação bacteriana, favorecendo a contração cicatricial, ajudando a aproximar as margens da ferida e a remover o fluido intersticial, permitindo a descompressão do tecido. Uma das alternativas de aplicação observada é o uso em pacientes que são submetidos à peritoneostomia, diminuindo o tempo de internação, o tempo para fechamento da ferida abdominal e a dificuldade técnica na reintervenção cirúrgica para fechamento do defeito abdominal. Pelos dados da literatura, o tempo médio de reconstrução da parede abdominal gira em torno de 75 dias, ou seja, quase 1 mês a mais de internação se a paciente não tivesse feito o uso do curativo a vácuo.


CONCLUSÃO

A terapia por pressão negativa se mostrou uma alternativa segura e eficaz no tratamento de peritoneostomia, uma vez que proporcionou evolução cicatricial satisfatória e preparo do leito da ferida para ser submetido a retalhos ou enxertos em tempo inferior à média descrita pela literatura, que gira em torno de 75 dias.

 

Previous Article Back to Top Next Article

Support

Indexers

Licença Creative Commons All scientific articles published at www.rbcp.org.br are licensed under a Creative Commons license