ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 1 de 1 resultado(s)

Busca por : Tecido adiposo Células-tronco Criopreservação Proliferação de células

Influência de um protocolo de criopreservação no rendimento in vitro de células-tronco derivadas do tecido adiposo

Fernanda Ginani; Diego Moura Soaresa; Carlos Augusto Galvão Barboza
Rev. Bras. Cir. Plást. 2012;27(3):359-363 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: O tecido adiposo obtido por lipoaspiração pode ser uma fonte acessível de células-tronco, para posterior aplicação clínica na regeneração tecidual. O processo de criopreservação mantém essas células vivas por longos períodos, sem prejuízo a suas funções. O objetivo deste estudo foi avaliar a influência de um protocolo de criopreservação na proliferação das células-tronco derivadas do tecido adiposo. MÉTODO: Fragmentos de tecido adiposo de camundongos foram submetidos a digestão enzimática e as células foram cultivadas em meio α-MEM (do inglês Minimum Essential Medium), suplementado com 10% de soro fetal bovino (SFB), e mantidas a 37ºC em 5% de dióxido de carbono. No primeiro subcultivo, uma alíquota de 1x106 células foi criopreservada em SFB com 10% de dimetilsulfóxido por 30 dias, e outro grupo permaneceu em cultura. No terceiro subcultivo, as células dos dois grupos (não-criopreservadas e criopreservadas) foram plaqueadas e a viabilidade celular e as curvas de crescimento foram estabelecidas a partir de contagem em hemocitômetro e pelo ensaio de MTT, nos intervalos de 24 horas, 48 horas e 72 horas. A avaliação da morfologia nuclear foi realizada pela marcação por DAPI. Os dados foram analisados estatisticamente, com nível de significância de 5%. RESULTADOS: Observou-se padrão de crescimento celular ascendente em ambos os grupos, sem diferença significante ao longo do experimento (P > 0,05). Não houve alteração considerável da viabilidade celular e danos nucleares também não foram observados nos grupos estudados. CONCLUSÕES: O protocolo de criopreservação avaliado mostrou-se eficaz para manter a integridade das células-tronco de tecido adiposo, permitindo seu armazenamento para uso posterior.

Palavras-chave: Tecido adiposo. Células-tronco. Criopreservação. Proliferação de células.

 

ABSTRACT

BACKGROUND: Adipose tissue obtained by liposuction may be an accessible source of stem cells for future clinical application in tissue regeneration. Cryopreservation maintains stem cells in a live state for long periods of time, without impairing their function. The aim of this study was to assess the effect of a cryopreservation protocol on the proliferation of adipose-derived stem cells. METHODS: Fragments of mouse adipose tissue were subjected to enzymatic digestion in order to isolate cells that were then cultured in minimum essential medium (α-MEM) supplemented with 10% fetal bovine serum (FBS). Cells were maintained at 37ºC in 5% carbon dioxide (CO2). At the first passage, an aliquot of 1 × 106 cells was cryopreserved in FBS with 10% dimethylsulfoxide (DMSO) for 30 days, whereas the remaining cells were seeded and maintained in culture. When these cells reached the third passage, the 2 groups of cells (cryopreserved and non-cryopreserved) were seeded for experiments. Cell viability and proliferation curves were established at intervals of 24, 48, and 72 hours by counting cells with a hemocytometer and MTT assay. Nuclear morphology was assessed by DAPI staining. The data were statistically analyzed, with a significance level of 5%. RESULTS: Increasing cellular proliferation was observed in both groups, with no significant difference throughout the experiment (P > 0.05). There was no significant change in cell viability and signs of nuclear damage were not detected in both the groups studied. CONCLUSIONS: The cryopreservation protocol analyzed was effective for maintaining the integrity of adipose-derived stem cells, allowing their storage for later use.

Keywords: Adipose tissue. Stem cells. Cryopreservation. Cell proliferation.

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons