ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 2 de 2 resultado(s)

Busca por : Luan Pedro Santos Rocha

Blefaroplastia inferior com suporte cantal lateral

Glayse June Sasaki Acacio Favarin; Eduardo Favarin; Luan Pedro Santos Rocha; Christine Horner
Rev. Bras. Cir. Plást. 2016;31(3):347-353 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: A abordagem transcutânea no rejuvenescimento palpebral inferior é uma técnica versátil e que permite amplo acesso a todas as estruturas periorbitárias. Apesar disso, muitos têm optado por outras vias de acesso, como a transconjuntival, devido ao risco aumentado de mal posicionamento palpebral. A utilização de suporte cantal lateral de rotina tem sido indicada sistematicamente para minimizar este risco. O presente trabalho revisou 136 casos operados com acesso transcutâneo e reforço cantal com cantopexia e suspensão orbicular. MÉTODO: Estudo retrospectivo de casos de blefaroplastia inferior primária transcutânea com cantopexia operados entre janeiro de 2008 e janeiro de 2014. Foram avaliados, por meio de fotos e registro de prontuários, a presença de dermatocalasio, bolsas palpebrais e flacidez tarsal. A técnica cirúrgica e o índice de complicações foram obtidos a partir da descrição cirúrgica e anotações clínicas. RESULTADOS: Foram operados 136 pacientes, com follow-up pós-operatório médio de 180 dias. Consideramos como complicações pós-operatórias epífora (15%), mal posicionamento palpebral (2,94%), hematoma orbital (0%), quemose (9,5%) e sensação de corpo estranho (6%). Sete pacientes (5,1%) precisaram de revisão cirúrgica. CONCLUSÃO: A realização de suporte cantal deveria ser considerada como parte integrante da blefaroplastia inferior transcutânea. Os autores acreditam que a cantopexia seja uma boa opção nos casos primários por sua fácil execução, baixa morbidade e eficácia comprovada na prevenção da esclera aparente, do arredondamento do canto lateral do olho e ectrópio.

Palavras-chave: Blefaroplastia; Pálpebras/cirurgia; Ectrópio.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: The transcutaneous approach in lower eyelid rejuvenation is a versatile technique allowing broad access to all periorbital structures. Nevertheless, many surgeons opt to use different access routes such as the transconjunctival approach, to avoid the increased risk of eyelid malposition. However, the use of a routine lateral canthal support was shown to consistently minimize this risk. This study reviewed 136 cases of patients who were operated on using the transcutaneous approach and canthal support with canthopexy and orbicularis suspension. METHOD: Our study used a retrospective design to investigate patients undergoing primary transcutaneous lower blepharoplasties performed with canthopexy, between January 2008 and January 2014. We assessed the presence of dermatochalasis, eyelid bags and tarsal sagging by analyzing patients' images and medical records. We used surgical descriptions and clinical notes to study the surgical technique used and the rate of complications associated with the same. RESULTS: Our study involved monitoring the post-operative condition of 136 patients for approximately 180 days after they underwent surgery. The occurrence of any of the following was considered a postoperative complication: epiphora (15%), eyelid malposition (2.94%), orbital hematoma (0%), chemosis (9.5%), and foreign body sensation (6%). Seven patients (5.1%) required surgical revision. CONCLUSION: Our assessment revealed that canthal support must be considered as an integral part of transcutaneous lower blepharoplasty. The authors believe that canthopexy is a good option in primary cases owing to its easy implementation, low morbidity, and efficacy in preventing apparent sclera, round eye lateral corner, and ectropion.

Keywords: Blepharoplasty; Eyelid surgery; Ectropion.

 

Retalho VY de avanço após recidiva de neoplasia perianal: relato de caso e revisão da literatura

Glayse June Sasaki Acacio Favarin; Eduardo Favarin; Luan Pedro Santos Rocha; Ives Alexandre Yutani Koseki; Fábio Yutani Koseki; Edson Rodrigues Garcia Filho
Rev. Bras. Cir. Plást. 2018;33(1):135-138 - Relato de Caso

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: O câncer anal é uma doença rara, cuja incidência está aumentando. Os retalhos são opções complexas de fechamento quando abrangem grandes áreas. A região perineal pode ser acometida por extensas lesões, requerendo utilização de retalhos. RELATO DE CASO: Paciente feminina, 56 anos, diagnosticada com adenocarcinoma anal, foi submetida à cirurgia de amputação abdominoperineal do reto associada à radioterapia pós-operatória há 2 anos. Apresentou recidiva cutânea da lesão neoplásica, com indicação de ampliação de margem cirúrgica para controle da recidiva. Após ampla ressecção com margem de segurança o defeito cutâneo, optou-se por duplo retalho em V-Y com 15 cm de comprimento cada e espessura total do tecido celular subcutâneo (TCS) de região glétea para preenchimento do espaço morto deixado pela ressecção e avanço sobre o defeito. Implementou-se antibioticoprofilaxia endovenosa e profilaxia para trombose venosa profunda. Paciente evoluiu bem do procedimento sem intercorrências. DISCUSSÃO: Retalho é um tecido que é mobilizado conforme sua anatomia vascular. Retalhos baseados no plexo subdérmico incluem os bipediculados, de avanço (V-Y), retalhos de rotação e transposição. Reconstruções de períneo são indicadas devido a tumores, traumas, infecções, queimaduras ou élceras de pressão. A região anal é dividida em canal anal e margem anal. Dentre os tipos histológicos de neoplasia na região do canal anal, podem ser citados: carcinoma de células escamosas (histologia mais comum), adenocarcinoma, melanoma, carcinoma de pequenas células e sarcomas. O risco de recidiva locorregional, após tratamento, pode atingir cerca de 30% dos casos e é o padrão de recidiva mais frequente.

Palavras-chave: Adenocarcinoma; Retalho perfurante; Canal anal.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Anal cancer is a rare disease, with an increasing incidence. Flaps are complex options for closing large areas. The perineal region may be affected by extensive lesions that require the use of flaps for repair. CASE REPORT: A 56-year-old female patient with anal adenocarcinoma underwent abdominoperineal amputation surgery of the rectum with postoperative radiotherapy for 2 years. She had cutaneous recurrence of the neoplastic lesion with indication of surgical margin expansion to control the local recurrence. After extensive resection with safety margins of the skin defect, we selected double V-Y flap of length 15 cm each and a total thickness of the gluteal subcutaneous tissue (ST) to fill up the dead space caused by resection and advancement of the defect. Intravenous antibiotic prophylaxis and deep venous thrombosis prophylaxis were administered. The patient progressed well from the procedure, with no problems.DISCUSSION: A flap is a tissue that is mobilized based on vascular anatomy. Flaps based on the subdermal plexus include bipedicle, advancement (V-Y), rotation, and transposition flaps. Perineum reconstructions are often indicated for tumors, trauma, infections, burns, or pressure sores. The anal region is divided into the anal canal and the anal margin. Among the histological types of anal cancer, the most prevalent are squamous cell carcinoma (most common histology), adenocarcinoma, melanoma, small cell carcinoma, and sarcomas. The risk of regional recurrence after treatment can reach approximately 30% of cases and is the most frequent recurrence pattern.

Keywords: Adenocarcinoma; Perforator flap; Anal canal.

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons