ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 8 de 8 resultado(s)

Busca por : Erick Horta Portugal

Fibromatose agressiva (tumor desmoide) associada ao implante mamário: revisão da literatura e apresentação de três novos casos

Aloísio Ferreira da Silva Filho; José Carlos Ribeiro Resende Alves; Erick Horta Portugal; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; Augusto César de Melo Almeida; Nárlei Amarante Pereira; Frederico Lins e Silva; Eduardo Ferreira Calsavara; José de Souza Andrade Filho
Rev. Bras. Cir. Plást. 2017;32(3):361-371 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: As fibromatoses consistem na proliferação de tecido fibroso, na forma de faixas ou nódulos, associadas às fáscias e aponeuroses. Sua variedade agressiva, denominada previamente tumor desmoide, se comporta de forma semelhante a uma neoplasia maligna, com destruição local de tecidos, sem, entretanto, originar metástases. MÉTODOS: Fez-se revisão da literatura de1979 a janeiro de 2017. Dados de três pacientes, operados entre maio de 2010 e agosto de 2015, foram revistos, com proservação até março de 2017. Observaram-se idade, características do implante, via de introdução do mesmo, tempo decorrido entre o implante e o aparecimento da fibromatose, tratamento cirúrgico instituído, acompanhamento clínico e resultados. RESULTADOS: Foram encontrados 24 trabalhos na literatura disponível, versando sobre fibromatose agressiva da parede torácica associada ao implante mamário de silicone, nos quais foram relatados 34 casos. São apresentados três casos de fibromatose agressiva associados ao implante mamário de silicone. Os casos foram tratados com sucesso por ressecção alargada da parede torácica, incluindo pele, musculatura, costelas, fáscia endotorácica e pleura parietal. A reconstrução foi bem-sucedida, realizada com tela aloplástica (Prolene®) recoberta por retalho muscular em dois casos e retalho cutâneo local em um caso. CONCLUSÃO: A associação de fibromatose agressiva e implante mamário é rara. O tratamento deve consistir em cirurgia alargada, removendo-se o implante e toda a área da cápsula adjacente, em conjunto com parte da mama, costelas subjacentes, musculatura intercostal, fáscia endotorácica e pleura parietal. A reconstrução deve ser feita com tela aloplástica associada a retalho muscular ou retalho tegumentar local.

Palavras-chave: Fibromatose agressiva; Implante mamário; Mamoplastia.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Fibromatoses consists of the proliferation of fibrous tissue, in the form of bands or nodules, associated with fasciae and aponeuroses. The aggressive variety, previously denominated desmoid tumor, behaves similarly to malignant neoplasm, with local destruction of tissues, without, however, producing metastases. METHODS: A literature review was carried out from 1979 to January 2017. Data from three patients, operated between May 2010 and August 2015, were reviewed. Age, implant characteristics, route of introduction, time elapsed between implantation and fibromatosis, surgical treatment, clinical follow-up and results were observed. RESULTS: Twenty-four papers were found in the literature reporting aggressive fibromatosis of the chest wall associated with silicone breast implant. In these studies, 34 cases were reported. Three new cases of aggressive fibromatosis associated with silicone breast implant are now presented. These cases were successfully treated by extensive resection of the chest wall, including skin, musculature, ribs, endothoracic fascia, and parietal pleura. The reconstruction was successful, performed with alloplastic mesh (Prolene®) covered by muscular flap in two cases and local skin flap in one case. CONCLUSION: The association of aggressive fibromatosis and breast implant is rare. The treatment should consist of extensive surgery, removing the breast implant and the entire area of the capsule around it, part of breast, together with the underlying ribs, intercostal muscles, endothoracic fascia and parietal pleura. The reconstruction should be made with an alloplastic mesh, covered by muscular flaps or local skin flap.

Keywords: Fibromatosis aggressive; Breast implantation; Mammaplasty.

 

Reconstrução em cirurgia micrográfica

Augusto César de Melo Almeida; José Carlos Ribeiro Resende Alves; Erick Horta Portugal; Izabella Costa Araujo; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; José de Souza Andrade Filho; Aloísio Ferreira da Silva Filho; Nárlei Amarante Pereira
Rev. Bras. Cir. Plást. 2015;30(2):235-241 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: A cirurgia micrográfica de Mohs é empregada para exérese de neoplasias cutâneas, especialmente carcinomas basocelulares de subtipos histológicos localmente agressivos, tumores recidivados ou localizados em regiões nobres. Apresenta elevados índices de cura e permite preservação tecidual. O objetivo é analisar a eficácia da cirurgia micrografia de Mohs e os métodos de reconstrução utilizados. MÉTODO: Foram coletados, retrospectivamente, dados de 50 pacientes submetidos à exérese de tumores cutâneos por meio da cirurgia micrográfica de Mohs e à reconstrução da perda de substância. Todos os pacientes foram operados no período entre janeiro de 2005 a dezembro de 2013 na Clínica de Cirurgia Plástica do Hospital Felício Rocho (Belo Horizonte, MG, Brasil). Os pacientes foram estudados com relação à idade, gênero, localização do tumor, tratamento prévio, tipo histológico, número de fragmentos analisados na cirurgia micrográfica, método de reconstrução empregado e proservação. RESULTADOS: Trinta e um pacientes (62%) foram do gênero feminino e 19 (38%) do masculino. A média de idade foi de 63,8 anos. Todas as lesões encontravam-se na face, com 66% dos casos com acometimento da região nasal. Considerando o diagnóstico pré-operatório, 48 casos (96%) eram carcinoma basocelulares e dois casos (4%) correspondiam ao carcinoma microcístico anexial. Retalhos locais foram o tipo de reconstrução mais utilizado. Os pacientes foram acompanhados por média de 48,4 meses. Nenhum caso de recidiva tumoral foi observado. CONCLUSÃO: A cirurgia micrográfica de Mohs se mostrou altamente eficaz no tratamento dos 50 casos de neoplasias cutâneas. Recomenda-se que os defeitos cirúrgicos sejam reparados pelo cirurgião plástico.

Palavras-chave: Cirurgia de Mohs; Neoplasias cutâneas; Retalhos cirúrgicos; Neoplasias de cabeça e pescoço; Cirurgia plástica.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Mohs micrographic surgery is used for the excision of skin neoplasms, especially in locally aggressive histological subtypes of basal cell carcinoma, tumor recurrences, or tumors located in critical areas. This technique has a high cure rate and allows maximum preservation of tissues. In this study, we aimed to assess the effectiveness of Mohs micrographic surgery and reconstruction methods. METHODS: Data from 50 patients who underwent Mohs micrographic surgery to excise skin tumors and reconstruct lost tissue were collected retrospectively. All patients were operated on between January 2005 and December 2013 at the Plastic Surgery Clinic of the Felício Rocho Hospital (Belo Horizonte, MG, Brazil). The patients' age, sex, tumor location, previous treatment, histological type, number of segments analyzed by micrographic surgery, reconstruction method used, and preservation were studied. RESULTS: Thirty-one patients (62%) were women and 19 (38%) were men. The mean age was 63.8 years. All lesions were facial, with 66% of cases affecting the nasal area. Presurgery, there were 48 cases (96%) of basal cell carcinoma and 2 cases (4%) of microcystic adnexal carcinoma. Local flaps were the most used reconstruction method. The patients were followed-up for a mean of 48.4 months. We did not observe any cases of tumor recurrence. CONCLUSION: Mohs micrographic surgery was shown to be effective in the treatment of 50 skin neoplasms. We recommend that surgical defects should be repaired by the plastic surgeon.

Keywords: Mohs surgery; Skin neoplasms; Surgical flaps; Head and neck neoplasia; Plastic surgery

 

Dermatofibrossarcoma protuberante diagnosticado erroneamente como queloide e tratado com acetonido de triancinolona

Erick Horta Portugal; José Carlos Ribeiro Resende Alves; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; José de Souza Andrade Filho; Augusto César de Melo Almeida; Izabella Costa Araújo; Nárlei Amarante Pereira; Raíssa Lemos Ferreira da Silva
Rev. Bras. Cir. Plást. 2016;31(1):82-87 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Dermatofibrossarcoma protuberante é um tumor de pele raro e de malignidade intermediária, com baixo potencial metastático, mas altas taxas de recorrência após tratamento cirúrgico. Por apresentar eventual semelhança clínica com cicatrizes hipertróficas e queloides, o diagnóstico correto mostra-se fundamental para o sucesso do tratamento. O objetivo do presente trabalho é fazer um alerta e relatar quatro casos de dermatofibrossarcoma protuberante erroneamente diagnosticados como queloide e tratados alhures com infiltração de acetonido de triancinolona. MÉTODO: Entre novembro de 1983 e janeiro de 2008, foram atendidos quatro pacientes com dermatofibrossarcoma protuberante que tinham sido submetidos alhures a infiltrações intralesionais de acetonido de triancinolona, em virtude de diagnóstico errôneo de queloide. Nos quatro casos, foram realizadas excisões cirúrgicas radicais, com remoção de 3 cm de tecido sadio nas margens laterais, incluindo-se, na margem profunda, uma estrutura anatômica não infiltrada pelo tumor. Os pacientes receberam avaliação médica periódica em longo prazo. RESULTADOS: Os pacientes foram acompanhados por uma média de 159 meses. Três pacientes (75%) permaneceram vivos, sem sinais de doença em atividade. Um paciente (25%) faleceu devido à doença, após tentativa de remover o avançado tumor recorrente, por meio de extensa cirurgia craniofacial. A recidiva ocorreu sete anos após a operação radical. CONCLUSÃO: Dermatofibrossarcoma protuberante deve ser considerado no diagnóstico diferencial dos queloides. A infiltração intralesional de acetonido de triancinolona só deverá ser realizada após diagnóstico de certeza, que pode demandar exame anatomopatológico prévio. Um exame clínico cuidadoso e o conhecimento da lesão favorecem um diagnóstico preciso e, portanto, um tratamento adequado.

Palavras-chave: Dermatofibrossarcoma; Queloide; Triancinolona Acetonida; Erros de diagnóstico.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Dermatofibrosarcoma protuberans is a rare skin tumor with intermediate malignancy, low metastatic potential, and high recurrence rates after surgical treatment. Owing to a possible clinical resemblance with hypertrophic scars and keloids, the correct diagnosis is fundamental for treatment success. The objective of the present work is to report on four cases of dermatofibrosarcoma protuberans misdiagnosed as keloid and treated elsewhere with infiltration of triamcinolone acetonide. METHOD: Between November 1983 and January 2008, four patients with dermatofibrosarcoma protuberans who had undergone intralesional infiltration with triamcinolone acetonide elsewhere were treated because of an erroneous diagnosis of keloid. Radical surgical excision was performed, and 3 cm of healthy tissue was removed from the side margins, including the deep margin, an anatomical structure not infiltrated by the tumor. The patients underwent long-term periodic medical evaluations. RESULTS: The patients were followed-up for an average of 159 months. Three patients (75%) are still alive without signs of disease at the time of this report. One patient (25%) died of the disease after an attempt to remove the advanced recurrent tumor using extensive craniofacial surgery. Recurrence occurred 7 years after the radical operation. CONCLUSION: Dermatofibrosarcoma protuberans must be considered in the differential diagnosis of keloids. Intralesional infiltration with triamcinolone acetonide should only be performed after diagnostic confirmation , which may require pathological examination. A careful clinical examination and knowledge of the lesion favor a precise diagnosis and an appropriate treatment.

Keywords: Dermatofibrosarcoma; Keloid; Triamcinolone acetonide; Diagnostic errors.

 

Retalho de McGregor: uma alternativa para reconstrução de pálpebra inferior e região periorbital

Augusto César de Melo Almeida; José Carlos Ribeiro Resende Alves; Nárlei Amarante Pereira; Liliane Carvalho Jamil; Erick Horta Portugal; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; Aloísio Ferreira da Silva
Rev. Bras. Cir. Plást. 2018;33(2):229-235 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Introdução: A reconstrução da pálpebra inferior é um desafio para o cirurgião plástico. Exige um conhecimento das variadas técnicas cirúrgicas e da anatomia. Em 1973, McGregor publicou a zetaplastia periorbital lateral que se mostra como excelente alternativa dentro do arsenal terapêutico reconstrutivo. O objetivo é demonstrar aplicabilidade clínica do retalho de McGregor como opção para reconstrução de defeitos da pálpebra inferior e região periorbital.
Métodos: Estudo retrospectivo, descritivo e analítico de sete pacientes que foram submetidos à excisão de neoplasias cutâneas da pálpebra inferior e regiões adjacentes, sendo utilizado para reconstrução do defeito cirúrgico o retalho de McGregor, entre abril de 2010 e outubro de 2016, na Clínica de Cirurgia Plástica do Hospital Felício Rocho, Belo Horizonte, MG.
Resultados: A idade dos pacientes variou entre 38 e 79 anos, com média de 65,4 anos, sendo cinco (71,4%) do sexo feminino. Ao exame anatomopatológico, 85,7% das neoplasias eram carcinoma basocelular e um caso (14,3%) correspondia a carcinoma microcístico anexial. Quatro pacientes foram submetidos à cirurgia micrográfica de Mohs para excisão da lesão. Em um caso foi utilizada a técnica de Matsuo para reconstrução palpebral da lamela posterior. Seguimento com média de 36,3 meses, seis pacientes (85,7%) evoluíram bem sem intercorrências com resultado satisfatório, um paciente evolui com ectrópio no pós-operatório por deformação do enxerto de cartilagem da orelha utilizado na reconstrução.
Conclusão: O retalho de McGregor apresentou aplicabilidade adequada, sendo uma excelente alternativa para reconstrução de defeitos da pálpebra inferior e tecidos adjacentes, com bons resultados estético e funcional.

Palavras-chave: Retalhos cirúrgicos; Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos; Pálpebras

 

ABSTRACT

Introduction: Lower eyelid reconstruction is a challenge for plastic surgeons. It requires knowledge of various surgical techniques and anatomy. In 1973, McGregor published the lateral periorbital zetaplasty technique, which proved to be an excellent alternative within the therapeutic reconstructive arsenal. The objective is to demonstrate the clinical applicability of the McGregor flap as an option for reconstruction of lower eyelid and periorbital region defects.
Methods: In this retrospective, descriptive, and analytical study, seven patients underwent excision of cutaneous malignant tumors of the lower eyelid and adjacent regions and reconstruction using the McGregor flap between April 2010 and October 2016 at the Plastic Surgery Clinic of Hospital Felício Rocho, Belo Horizonte, MG.
Results: The age of the patients ranged from 38 to 79 years, with an average of 65.4 years. Five of the seven patients (71.4%) were women. At the anatomopathological examination, 85.7% of the cutaneous tumors were basal cell carcinoma, and 14.3% (n = 1) were adnexal microcystic carcinoma. Four patients underwent Mohs micrographic surgery for excision of the lesions. In one patient, the Matsuo technique was used for palpebral reconstruction of the posterior lamella. In the follow-up averaging 36.3 months, the conditions of the six patients (85.7%) progressed well without complications, with satisfactory results; one patient developed postoperative ectropion owing to the deformation of the cartilage graft of the ear used in the reconstruction.
Conclusion: The McGregor flap presented adequate clinical applicability, making it an excellent alternative for reconstruction of lower eyelid defects and adjacent tissues with good aesthetic and functional results.

Keywords: Surgical flaps; Reconstructive surgical procedures; Eyelids

 

Ceratoacantoma: aspectos morfológicos, clínicos e cirúrgicos

LÍVIA NEFFA; JOSÉ CARLOS RIBEIRO RESENDE ALVES; ERICK HORTA PORTUGAL; REBECA PAOHWA LIU DA FONSECA; JOSÉ DE SOUZA ANDRADE; NÁRLEI AMARANTE PEREIRA; RAÍSSA LEMOS FERREIRA DA SILVA; AUGUSTO CÉSAR DE MELO ALMEIDA
Rev. Bras. Cir. Plást. 2018;33(3):382-388 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Introdução: O ceratoacantoma é uma neoplasia epitelial de rápido crescimento, mais frequente em áreas de exposição solar. Habitualmente, apresenta-se como lesão única, arredondada, com depressão central preenchida de queratina. As semelhanças clínicas e histopatológicas com o carcinoma de células escamosas, frequentemente, dificultam o diagnóstico diferencial. A biópsia excisional é a abordagem de escolha, permitindo diagnóstico e tratamento.
Método: O presente estudo é observacional e retrospectivo, com dados de 162 pacientes tratados de 2005 a 2013, no Hospital Felício Rocho, em Belo Horizonte, MG. Todos os pacientes submeteram-se à excisão cirúrgica dos tumores. Foram estudados: sexo, idade, número de lesões, localização, tamanho do tumor e diagnóstico pré-operatório.
Resultados: Dos 162 pacientes, totalizando 173 lesões, 154 (95,06%) apresentavam ceratoacantoma único. Noventa e dois eram do gênero masculino (56,80%) e 70 do feminino (43,20%). A idade dos pacientes variou de 11 a 96 anos, com média de 71,23 anos. As lesões localizavam-se predominantemente nos membros superiores (43,64%), na face (28,48%) e nos membros inferiores (17,58%). Nas hipóteses diagnósticas formuladas pelos cirurgiões, no pedido do exame anatomopatológico, houve diagnóstico correto em 63,13%.
Conclusão: O ceratoacantoma é uma neoplasia epitelial de características morfológicas semelhantes ao carcinoma de células escamosas, o que, por muitas vezes, dificulta o diagnóstico. Torna-se necessária, portanto, a excisão cirúrgica completa das lesões suspeitas para diagnóstico e tratamento corretos.

Palavras-chave: Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos; Ceratoacantoma; Dermatopatias; Neoplasias cutâneas; Procedimentos cirúrgicos operatórios; Patologia cirúrgica

 

ABSTRACT

Introduction: Keratoacanthoma is an epithelial neoplasm of rapid growth, more frequent in areas of sun exposure, and usually appears as a single, rounded lesion with a central depression filled with keratin. Clinical and histopathological similarities with squamous cell carcinoma often make differential diagnosis difficult. Excisional biopsy is the approach of choice, allowing diagnosis and treatment.
Method: This is an observational and retrospective study, in which data of 162 patients treated at the Hospital Felício Rocho from 2005 to 2013, in Belo Horizonte, MG, were analyzed. All patients underwent surgical excision of tumors. Data on sex, age, number of lesions, location, tumor size, and preoperative diagnosis were studied.
Results: Of the 162 patients, with a total of 173 lesions, only 154 (95.06%) had keratoacanthoma. There were 92 male (56.80%) and 70 female (43.20%) patients. The age of patients ranged from 11 to 96 years, with an average of 71.23 years. The lesions were located predominantly in the upper limbs (43.64%), face (28.48%), and lower limbs (17.58%). In the diagnostic hypotheses formulated by surgeons at the request of the pathology, the diagnosis was correct in 63.13%.
Conclusion: Keratoacanthoma is an epithelial tumor with morphological characteristics similar to those of squamous cell carcinoma, which often complicates the diagnosis. Therefore, the complete excision of the suspicious lesions is necessary for correct diagnosis and treatment.

Keywords: Surgical reconstructive procedures; Keratoacanthoma; Skin diseases; Skin neoplasms; Surgical procedures, operative; Pathology, surgical

 

Retalho de omento maior no tratamento da mediastinite pós-operatória do lactente

Nárlei Amarante Pereira; Aloísio Ferreira da Silva Filho; José Carlos Ribeiro Resende Alves; Erick Horta Portugal; Marconi de Oliveira Ruas; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; Cláudio Azevedo Salles; Augusto César de Melo Almeida; Raíssa Lemos Ferreira da Silva
Rev. Bras. Cir. Plást. 2016;31(3):391-397 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: A mediastinite pós-operatória é uma condição grave, com altas taxas de mortalidade. O retalho de omento maior é usado com êxito no tratamento de mediastinites pós-operatórias decorrentes de cirurgia cardíaca. O uso dessa abordagem não foi relatado em lactentes, provavelmente porque nessa idade o omento maior é membranáceo, pouco volumoso e possui tecido adiposo escasso. MÉTODOS: Entre julho de 2010 e agosto de 2014, foram tratados quatro lactentes com mediastinite pós-operatória decorrentes de cirurgia cardíaca, realizada por esternotomia. O tratamento cirúrgico consistiu em remoção dos fios de aço da osteossíntese esternal, desbridamento e lavagem do mediastino, seguidos da transposição de todo o omento maior para a cavidade mediastinal. O tratamento cirúrgico foi feito em um só tempo. Não foi feita nova síntese do esterno com fios de aço. RESULTADOS: Os quatro pacientes sobreviveram ao tratamento e obtiveram alta da unidade de tratamento intensivo sem infecção. CONCLUSÕES: Embora membranáceo e apresentando pequeno volume, o retalho de omento maior se mostrou um excelente método de abordagem da mediastinite pós-operatória do lactente.

Palavras-chave: Mediastinite; Esternotomia; Omento; Procedimentos cirúrgicos cardiovasculares; Lactente.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Postoperative mediastinitis is a serious condition that presents high mortality rates. The greater omentum flap has been used with good results in postoperative mediastinitis after cardiac surgery. The use of this approach has not been reported in infants probably because at this age, the greater omentum is membranous, not bulky, and has little amount of fatty tissue. METHOD: Between July 2010 and August 2014, four infants who presented with mediastinitis after a cardiac surgery via sternotomy were treated. The surgical treatment consisted of steel wire removal, debridement, and wound washing, followed by transposition of the entire greater omentum to the mediastinal cavity. Surgical treatment was performed in a single step. No rewiring of the sternum was performed. RESULTS: All four patients survived the treatment and were discharged from the intensive care unit without infection. CONCLUSIONS: Although membranous and not bulky, the use of a greater omentum flap proved to be an excellent approach in infant postoperative mediastinitis.

Keywords: Mediastinitis; Sternotomy; Omentum; Cardiovascular surgical procedures; Infant.

 

Fita microporosa para fixação de enxertos cutâneos

Augusto César de Melo Almeida; Nárlei Amarante Pereira; Aloísio Ferreira da Silva Filho; Erick Horta Portugal; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; José Carlos Ribeiro Resende Alves
Rev. Bras. Cir. Plást. 2017;32(2):252-255 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: A fixação do enxerto cutâneo é essencial para sua integração no leito receptor. A literatura apresenta várias técnicas de fixação, porém, o uso da fita de microporosa é pouco relatado. O objetivo é demonstrar e divulgar o uso da fita microporosa na fixação do enxerto cutâneo MÉTODOS: Estudo prospectivo, realizado de janeiro de 2014 a janeiro de 2016. Em 40 pacientes foi utilizada a fita microporosa esterilizada como método isolado para a fixação do enxerto RESULTADOS: Enxertos cutâneos apresentaram resultado satisfatório sem mobilização e, consequentemente, boa integração. CONCLUSÃO: O uso da fita microporosa esterilizada é um excelente método para a fixação de enxertos cutâneos, por ser simples, rápido e seguro.

Palavras-chave: Fita cirúrgica; Transplante de pele; Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Fixing a skin graft is essential to its integration in the recipient bed. The literature presents several fixation techniques. However, only few reports on the use of microporous tape are available. This study aims to demonstrate and promote the use of microporous tape in fixing skin grafts. METHODS: A prospective study was performed from January 2014 to January 2016. In 40 patients, a sterilized microporous tape was used as an isolated method to fix skin grafts. RESULTS: The use of skin graft immobilization showed satisfactory results and consequently good integration. CONCLUSION: The use of a sterilized microporous tape is an excellent method for fixing skin grafts because it is easy, fast, and safe to use.

Keywords: Surgical tape; Skin transplantation; Reconstructive surgical procedures.

 

Expansão prévia no tratamento de dermatofibrossarcoma protuberante envolvendo o osso frontal

Erick Horta Portugal; José Carlos Ribeiro Resende Alves; Aloísio Ferreira da Silva Filho; Rebeca Paohwa Liu da Fonseca; Nárlei Amarante Pereira; Augusto César de Melo Almeida; José de Souza Andrade Filho
Rev. Bras. Cir. Plást. 2017;32(4):599-602 - Relato de Caso

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Dermatofibrossarcoma protuberante é um tumor cutâneo raro de malignidade intermediária e potencial metastático baixo, apresentando, entretanto, alta taxa de recorrência após tratamento cirúrgico. O tratamento cirúrgico clássico é a ressecção alargada com margens variadas. MÉTODOS: Os pacientes foram submetidos à expansão prévia dos tecidos da região frontal utilizando dois expansores convencionais. Margens laterais de 3 cm de tecido de aparência normal foram tatuadas com tinta nanquim. Os expansores foram incluídos em uma cirurgia anterior, através de incisões cutâneas distantes dessas marcas, em um plano cirúrgico logo acima do periósteo, preservando a área de ressecção alargada previamente delimitada. Os tecidos laterais foram expandidos e, posteriormente, os pacientes foram submetidos à ressecção do tumor. A margem profunda incluiu da lâmina externa do osso frontal. O período médio de expansão foi de 45 dias. RESULTADOS: Foram relatados três casos de dermatofibrossarcoma protuberante da região frontal com envolvimento da lâmina externa do osso frontal. Os retalhos expandidos fecharam facilmente os defeitos. O acompanhamento pós-operatório médio foi de 194 meses, sem nenhuma recorrência tumoral. CONCLUSÃO: A expansão tecidual prévia da região frontal no tratamento do dermatofibrossarcoma protuberante, invadindo o osso frontal, usando margens laterais de 3 cm com remoção da lâmina externa, permitiu facilmente o fechamento do defeito, em três pacientes. O tempo de acompanhamento médio de 194 meses sem nenhuma recorrência tumoral mostrou a eficiência do método.

Palavras-chave: Dispositivos para expansão de tecidos; Expansão de tecido; Dermatofibrossarcoma; Neoplasias cutâneas; Osso frontal.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Dermatofibrosarcoma protuberans is a rare skin tumor with intermediate malignancy and low metastatic potential, but a high recurrence rate after surgical treatment. Treatment involves extended resection with variable margins. METHODS: Patients were managed with preceding expansion of tissues of the forehead using two conventional expanders. The lateral margins of normal-appearing tissue 3-cm apart were tattooed with China ink. In a preceding operation, expanders were inserted through skin incisions at a distance from the marks, by undermining the surgical plane just above the periosteum, while preserving the area of wide resection previously delimited. After the lateral tissues were expanded, the patients underwent surgical resection. The deep margin included the outer table of the frontal bone. The expansion period averaged 45 days. RESULTS: Three cases of dermatofibrosarcoma protuberans of the forehead with involvement of the outer table of the frontal bone are described. The expanded flaps easily closed the defects. The average follow-up was 194 months without tumor recurrence. CONCLUSION: Preceding expansion of forehead tissue in the treatment of dermatofibrosarcoma protuberans with invasion of frontal bone, using 3-cm lateral margins and removal of the outer table of the frontal bone, allowed easy closure of the defect in 3 different patients. Average follow-up of 194 months with no recurrence of the lesion showed the effectiveness of the method.

Keywords: Tissue expansion devices; Tissue expansion; Dermatofibrosarcoma; Skin neoplasms; Frontal bone.

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons