ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 1 de 1 resultado(s)

Busca por : Antonio Fuente del Campo

Ritidoplastia mini-invasiva, um procedimento efetivo através de pequenas incisões

Antonio Fuente del Campo
Rev. Bras. Cir. Plást. 2014;29(1):30-38 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Os procedimentos aplicados nos problemas de envelhecimento facial devem ficar restritos aos tecidos brandos e às relações com o volume prévio do esqueleto. Eles podem ser realizados mediante diversas técnicas: dissecção ampla e aberta, endoscópica e mini-invasiva. O objetivo é apresentar nossa concepção de ritidoplastias mini-invasivas e ritidoplastias completas através de mini-incisões, após 18 anos de experiência. MÉTODOS: A ritidoplastia mini-invasiva é realizada através de mini-incisões localizadas na linha do cabelo da região frontal, região temporal, na fossa triangular da orelha, no sulco submentoniano e nas pálpebras. Ampla dissecção é realizada para liberar a fáscia parietal do arco zigomático para elevar em continuidade com o SMAS e o platisma num único plano. Essas estruturas são seletivamente fixadas em posições mais elevadas, restaurando a posição dos tecidos brandos e o contorno da face. RESULTADOS: Nossa experiência se apoia em 672 pacientes, operados durante 19 anos, com mínimo de complicações a serem registradas, tendo sido evitadas as incisões pré-auriculares em 89% dos pacientes. Estão registrados os detalhes e táticas de como realizar cirurgias com segurança e a qualidade dos resultados. CONCLUSÕES: Diferentes procedimentos são descritos para mostrar como realizamos as ritidoplastias com minivias de acesso, de acordo com as regiões tratadas e sem cicatrizes pré-auriculares em 89% dos casos operados.

Palavras-chave: ritidoplastia; cirurgia facial; incisões; técnicas minimamente invasivas

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: A restoring procedure of the ageing process of the face should consider the conditions of the soft tissues and the relationship between them and the existing skeletal volume. This could be done through different approaches: open, endoscopic or mini-invasive. To present our concept of mini-invasive facelift, a full facelift through minimal incisions, product of eighteen years of experience. METHODS: The mini-invasive facelift is done through minimal incisions located on the frontal hairline, temporal area, triangular fossae of the auricle, submentalis sulcus and eyelids. A wide dissection is performed to liberate the parieto-temporal fascia from the zigomatic arch, to pull it up in continuity with the SMAS and the platysma as one continuous layer or composite flap. These structures are selectively fixed to a higher position restoring the location of the soft tissues and the contour of the face. RESULTS: We have done this procedure to 672 patients, along 19 years, with minimal complications (described also), and avoiding the pre-auricular incisions in 89% of our patients. In this paper details and tips to perform this procedure in a safer way and to get the most natural results are presented. CONCLUSIONS: Different approaches are described to perform a face lift with specific mini access views according to the regions to be treated , without periauricular scar round 89% of the operated cases.

Keywords: Rhytidoplasty; Facial Surgery; Incisions; Surgical Procedures; Minimally Invasive

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons