ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 1 de 1 resultado(s)

Busca por : André Mario Doi

Perfil microbiológico da unidade de queimaduras da EPM/UNIFESP, São Paulo, Brasil

Alfredo Gragnani; Adriana Macêdo Dell'Aquila; André Mario Doi; Bruno Rafael Müller; Liliane do Amaral Lacerda; Antonia Maria de Oliveira Machado; Lydia Masako Ferreira
Rev. Bras. Cir. Plást. 2014;29(1):114-119 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Apesar dos grandes avanços em seu tratamento, infecção de pele com queimadura continua a ser um grande desafio. O objetivo deste estudo é avaliar os aspectos microbiológicos do primeiro ano de funcionamento de uma unidade de queimadura em um Hospital Universitário. MÉTODOS: Estudo retrospectivo. Dados microbiológicos foram coletados e analisados a partir de pacientes internados na Unidade de Queimadura (UTQ) do Hospital São Paulo, Hospital Universitário da Escola Paulista de Medicina (EPM) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), entre junho de 2009 e julho de 2010. RESULTADOS: O tempo médio de permanência hospitalar foi de 13,8 dias, com uma taxa de mortalidade de 5,9%. A média da superfície corpórea queimada foi de 10,3%. Avaliou-se 159 culturas de 101 pacientes. Culturas de sangue foram as mais solicitadas (41%). Também foram acessadas 245 culturas de vigilância, coletadas de 75 pacientes. A análise microbiológica revelou um índice de positividade total de 34,5%. Os agentes mais prevalentes foram Staphylococcus coagulase-negativo - CoNS - (33%), Pseudomonas aeruginosa (24%), Acinetobacter spp. (22%) e Klebsiella pneumoniae (5%). CONCLUSÃO: A avaliação microbiológica do primeiro ano de funcionamento da UTQ da EPM/UNIFESP revelou que, embora o agente mais prevalente tenha sido a CoNS, bacilos Gram negativos ainda são muito prevalentes, como a Pseudomonas aeruginosa e a Acinetobacter baumannii. Apesar de pouco tempo de operação, observou-se um grande número de microrganismos multirresistentes, que pode ser explicado por longa exposição a agentes antimicrobianos e alta taxa de transferência de outros hospitais.

Palavras-chave: Unidades de Queimados; Epidemiologia; Staphylococcus; Pseudomonas aeruginosa; Acinetobacter baumannii.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Despite great advances in treatment, burned skin infection remains a major challenge. The aim of this study is to evaluate the microbiological aspects of the first year's operation of a Burn Unit in a University Hospital. METHODS: Retrospective study. Microbiological data were collected and analyzed from patients admitted to the Burn Unit of São Paulo Hospital, a University Hospital of the Paulista Medical School (EPM) of the Federal University of São Paulo (UNIFESP) from June 2009 to July 2010. RESULTS: The average length of stay was 13.8 days with a mortality rate of 5.9%, and median of TBSA was 10.3%. Evaluated 159 cultures from 101 patients. Blood cultures were the most requested (41%). It was also accessed 245 surveillance cultures collected from 75 patients. The microbiological analysis revealed a total positivity rate of 34,5%. The most prevalent agents were Coagulase-negative Staphylococcus - CoNS - (33%), Pseudomonas aeruginosa (24%), Acinetobacter spp. (22%) and Klebsiella pneumoniae (5%). CONCLUSION: The microbiological evaluation of the first year's activity of EPM/UNIFESP Burn Care Unit revealed that, although the most prevalent agent was CoNS, Gram negative bacilli are still very prevalent, such as Pseudomonas aeruginosa and Acinetobacter baumannii. Despite the short time of operation, was observed large number of multiresistant microorganisms which can be explained by long exposure to antimicrobials and high transfer rate from other hospitals.

Keywords: Burn Units; Epidemiology; Staphylococcus; Pseudomonas aeruginosa; Acinetobacter baumannii.

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons