ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 1 de 1 resultado(s)

Busca por : Alysson Rogerio Matioski

Mamoplastia com retalho bipediculado de músculo peitoral: 30 anos de experiência com a técnica

Milton Jaime Bortoluzzi Daniel; Ivan Maluf Junior; Alysson Rogerio Matioski
Rev. Bras. Cir. Plást. 2015;30(3):455-460 - Ideias e Inovações

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Existem inúmeras técnicas de mamoplastia com objetivo de evitar a ptose tardia. Observamos em todas estas técnicas que a forma da mama após a sua báscula permaneceu com perda de preenchimento do seu polo superior. A associação da mamoplastia com o uso do retalho de base torácica associado ao retalho bipediculado de músculo peitoral maior tem sido utilizada devido ao bom resultado que é mantido num pós-operatório tardio. MÉTODO: Foram feitos mais de 4000 procedimentos utilizando a técnica do autor. Foi realizada a marcação de mamoplastia tradicional e confecção de retalho de pedículo inferior conforme descrito por Ribeiro. Divulsiona-se uma faixa do músculo peitoral e realiza-se a passagem completa do retalho torácico através da alça muscular com posterior fixação do retalho à parede torácica. Os retalhos muscular e glandular são envolvidos pelo tecido do polo superior fazendo se a sutura dos pilares laterais. RESULTADOS: Com a utilização da técnica de um retalho torácico, fixado por uma alça de músculo peitoral, obtivemos uma báscula mínima que forneceu um melhor resultado estético a longo prazo. Com esta técnica, o tecido mamário é dividido e reposicionado para o local desejado, mantendo a forma da mama e não dependendo do fechamento dérmico para se obter o contorno final. CONCLUSÃO: Observamos nos casos operados a manutenção do polo superior da mama mesmo tardiamente, redução da tensão sobre a cicatrização com consequente melhora do aspecto, ausência do movimento de báscula (ptose) pós-operatória, sem aumento significativo no tempo cirúrgico.

Palavras-chave: Mamoplastia; Retalhos cirúrgicos; Músculos peitorais.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Several breast augmentation techniques have been developed to avoid late ptosis. However, these techniques result in persistent pendulum and changed shape due to loss of filling in the upper pole. The combination of breast augmentation with a thoracic flap involving a bipedicled flap from the greater pectoral muscle has been used with good results that are maintained in late postoperative periods. METHOD: More than 4,000 procedures were performed using the author's technique. The marking of traditional mammoplasty and construction of the inferior pedicle flap were performed as described by Ribeiro. A pectoral muscle strap was divulsed and the thoracic flap passed through and attached to the chest wall. The muscle and glandular flaps were wrapped by the upper pole tissue and sutured to the lateral breast pillars. RESULTS: Use of the thoracic flap technique fixed by a pectoral muscle strap results in minimum pendulum, which provides better long-term aesthetic results. With this technique, the breast tissue is divided and repositioned in the desired location while maintaining the breast shape rather than depending on the dermal closure to provide the final shape. CONCLUSION: This technique provides long-term preservation of the upper breast pole and reduced scar tension with consequent aspect improvement; it also eliminates post-operative pendulum movement (ptosis) without significantly increasing surgical time.

Keywords: Mammoplasty; Surgical flaps; Pectoral muscles.

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons