ISSN Online: 2177-1235 | ISSN Impresso: 1983-5175

Mostrando de 1 até 20 de 35 resultado(s)

Busca por : Blefaroplastia; Pálpebrascirurgia; Ectrópio

Retalho Biplanar para Blefaroplastia Inferior

Antonio Carlos Abramo, Alexandre Alves Dorta, Valeria Oliveira Ribeiro, José Carlos Teixeira Jr, Alessandra Regina Galindo
Rev. Bras. Cir. Plást. 2001;16(3):7-16 - Artigos

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Neste trabalho é discutido um retalho biplanar, formado por um retalho cutâneo e outro muscular, com pedículo comum musculocutâneo, para adequada ressecção do excesso de pele e de músculo nas blefaroplastias inferiores. O retalho biplanar permite retirar diferentes quantidades de pele e de músculo, de acordo com a participação de cada um deles na deformidade palpebral, assegurando um adequado aporte vascular, através de seu pedículo comum musculocutâneo. A cantopexia muscular junto ao canto lateral do olho recupera a cinta muscular da pálpebra inferior, promovendo maior sustentação ao canto lateral do olho e à pálpebra inferior. A fixação do retalho muscular que compõe o retalho biplanar eleva os tecidos cutâneo e muscular em um único bloco, permitindo a correção adequada dos excedentes de cada um desses tecidos, com menor risco de esclera aparente ou ectrópio.

Palavras-chave: Retalho biplanar; blefaroplastia inferior; cantopexia

 

ABSTRACT

A byplanar flap, composed by cutaneous and muscular flaps with common musculocutaneous pedicle, is proposed to an adequate resection of the cutaneous and muscle excess in lower blepharoplasty. The byplanar flap allows to resect different quantities of the skin and muscle, in accordance to the palpebral deformity. It provides an appropriate vascular support, either for the cutaneous and for the muscular flap, through its common pedicle. The byplanar flap in association with the lateral canthopexy promotes the recovery of the lower eyelid muscular sling with the lateral canthus and lower eyelid support. The resection and fixation of the muscular portion of the biplanar flap elevate the skin and muscle flaps together, providing the adequate correction ofthe excess of both tissues, decreasing the occurrence of scleral show or ectropion.

Keywords: Biplanar flap; lower blepharoplasty; canthopexy

 

Cirurgia da ptose palpebral: análise de dois tipos de procedimentos cirúrgicos

Fabio Lopes Saito, Rolf Gemperli, Patricia Yuko Hiraki, Marcus Castro Ferreira
Rev. Bras. Cir. Plást. 2010;25(1):11-17 - Artigo Original

PDF Português

RESUMO

Introdução: A ptose palpebral ou blefaroptose caracteriza-se pela disfunção, ou inabilidade do paciente em realizar a abertura da fenda palpebral de maneira normal. Geralmente é decorrente do acometimento do músculo levantador da pálpebra, possuindo diferentes etiologias, quais sejam, congênitas ou adquiridas. Método: No período de 2005 a 2008, foram diagnosticados 16 pacientes portadores de ptose palpebral, totalizando 24 pálpebras submetidas a tratamento cirúrgico, pelo autor. Foram realizadas 18 cirurgias abordando a fáscia do músculo levantador e, em 6 casos, a ressecção do músculo levantador da pálpebra. Resultados: O grau de ptose nos casos estudados variou entre 2,0 e 7,0 mm, com média de 4,33 mm. Os resultados pós-operatórios foram avaliados por meio de exame físico e de análise fotográfica e classificados em insatisfatórios, regulares e bons, de acordo com o grau de ptose residual. A média de seguimento foi de 14,87 meses. Em 83,3% dos casos, os resultados foram considerados bons, em 12,5%, regulares e, em 4,16%, insatisfatórios. A complicação mais frequentemente observada foi a hipocorreção cirúrgica e a assimetria entre as fendas palpebrais. Encontrou-se um caso com retração cicatricial na pálpebra superior e apenas um paciente foi submetido à revisão cirúrgica após seis meses do ato operatório.

Palavras-chave: Blefaroptose. Doenças palpebrais. Blefaroplastia.

 

ABSTRACT

Introduction: Eyelid ptosis or blepharoptosis is characterized by dysfunction or the patient's inability to elevate the upper eyelid normally. It is usually due to a compromised levator muscle and has different etiologies, namely congenital or acquired. Method: From 2005 to 2008, 16 patients were diagnosed with ptosis, perfoming a total of 24 surgically treated eyelids. Eighteen surgeries were performed approaching the fascia of the eyelid levator muscle and in 6 cases through resection of the eyelid levator muscle. Results: The degree of ptosis in the cases studied ranged between 2.0 and 7.0 mm, with an average of 4.33 mm. The postoperative results were evaluated by physical examination and photographic analysis and classified as poor, fair and good, according to the degree of residual ptosis. The average follow-up was 14.87 months. In 83.3% of the cases, the results were considered good, regular in 12.5% and in 4.16% unsatisfactory. The most frequently observed complication was surgical undercorrection and asymmetry of the eyes. In one case we could observe of scar retraction in the upper eyelid and only one patient underwent surgical revision six months after the initial surgery.

Keywords: Blepharoptosis. Eyelid diseases. Blepharoplasty.

 

TRATAMENTO CIRÚRGICO DOS DÉFICITS FUNCIONAIS CAUSADOS PELO BLEFAROCALÁSIO E PELA PTOSE PALPEBRAL SENIL

Tatiana Martins Caloi
Rev. Bras. Cir. Plást. 2007;22(2):81-88 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Método: Este trabalho avaliou 25 pacientes com queixas de redução do campo visual e peso palpebral, encaminhados para tratamento cirúrgico especializado. A idade média da população foi de 65,4 anos, verificando-se alta incidência de morbidades associadas (88%), como hipertensão arterial, cardiopatia, diabetes melitus, glaucoma e catarata. As cirurgias realizadas foram a blefaroplastia superior isolada ou associada à blefaroplastia inferior com o uso da cantopexia ou retalho tarsal, em casos de flacidez tarsal importante. A ptose de supercílios foi corrigida pela suspensão com fios ou com ressecção direta de pele superciliar. A ptose palpebral senil foi tratada com a plicatura da aponeurose do músculo levantador da pálpebra superior. Os pacientes foram fotografados, examinados e submetidos a um questionário no pré e no pós-operatório de seis meses, avaliando-se as queixas funcionais iniciais. Resultados: Houve melhora estatisticamente significante para as queixas de peso palpebral/frontal (92% para 12%) e diminuição do campo visual (100% para 4%), não havendo diferenças em relação ao lacrimejamento e cefaléia no pré e pós-operatório de seis meses. A incidência de complicações precoces foi de 12% e, das tardias, 8%, sendo necessária a reintervenção cirúrgica em dois casos. Este trabalho tem como objetivo mostrar a alta incidência de alterações funcionais associadas ao blefarocalásio e à ptose palpebral senil. Conclusão: Destaca-se a importância do diagnóstico preciso e do tratamento correto destas morbidades, e dos benefícios da cirurgia reparadora no alívio dos sintomas relacionados ao envelhecimento da região órbito-palpebral.

Palavras-chave: Blefaroplastia. Blefaroptose. Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos

 

ABSTRACT

Method: This paper analyzes 25 patients with visual field impairment and palpebral heaviness caused by blepharochalasis and senile ptosis sent for specialized surgical treatment. The mean age of this population was 65,4 years and a high incidence of associated morbidities such as arterial hypertension, diabetes mellitus, cardiopathy, glaucoma and cataract was found in this group (88%). Isolated upper lid blepharoplasty or upper and lower lid surgery were the most common surgical procedures done, associated with canthopexy or tarsal strip when needed. Brow ptosis was corrected with sutures or direct upper eyebrow skin resection. Senile ptosis was treated by levator aponeurosis plication. Photographic documentation, clinical examination and a questionaire were done pre-operatively and 6 months after surgery, analyzing initial functional complaints. Statistical analyses showed significance of initial complaints of palpebral heaviness (92% before and 12% after surgery), decreased visual field (100% before and 4% after surgery). Results: There was no difference in tearing complaints and headache frequency before and after surgery. The incidence of early complications was 12% and of late complications was 8%. Two patients were reoperated. This paper shows a high incidence of functional impairment due to blepharochalasis and senile ptosis in an elderly population. Conclusion: It highlights the importance of good clinical examination for correct diagnosis and treatment of this morbidity and the benefits of ophthalmic plastic surgery for the relief of symptoms related to orbital and palpebral aging.

Keywords: Blefaroplasty, Blefaroptosys, Surgical reconstructive procedures

 

Reconstrução de pálpebra inferior e junção malar/palpebral com retalho cutâneo em V-Y após ressecção de tumores de pele

Mariane Campagnari
Rev. Bras. Cir. Plást. 2016;31(4):468-473 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Os retalhos mais comumente utilizados para reconstruções de pálpebra inferior e junção malar/palpebral são os cervicofaciais, pois a sua tração horizontal levaria a menor risco de ectrópio e distopias cantais. O retalho cutâneo em V-Y frequentemente não é utilizado pelo receio de que a tração vertical seja transferida à pálpebra inferior, gerando ectrópio e distopias. Nosso objetivo é demonstrar que, se bem executado, este retalho pode ser uma boa opção para reconstruções nesta região. MÉTODOS: Foram realizadas 68 reconstruções palpebrais no ACCamargo Cancer Center, entre dezembro de 2012 e maio de 2015. Dentre estes pacientes, 29 foram submetidos à reconstrução de pálpebra inferior ou junção malar/palpebral, após ressecção de tumores cutâneos, com retalhos cutâneos em V-Y. RESULTADOS: Dentre as reconstruções palpebrais, o retalho V-Y foi o mais utilizado (29 casos, 42,6%). Dois casos (6,9%) evoluíram com ectrópio. Não houve nenhum caso de seroma, hematoma, infecção ou perda parcial do retalho. CONCLUSÃO: O retalho V-Y é uma boa opção para reconstruções palpebrais quando bem indicado, desenhado e executado, pois apresenta baixos índices de complicações e também por poder ser realizado sob anestesia local, sendo uma boa escolha para pacientes sem condições clínicas de serem submetidos à anestesia geral.

Palavras-chave: Pálpebras; Procedimentos cirúrgicos reconstrutivos; Neoplasias cutâneas; Ectrópio.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: The most commonly used flaps for the reconstruction of the lower eyelid and malar/palpebral groove are cervicofacial flaps owing to their horizontal traction, which results in a lower risk of ectropion and canthal dystopias. V-Y skin flap is not often used for the fear of the vertical traction being transferred to the lower eyelid, which would lead to the occurrence of ectropion and dystopias. Our aim is to demonstrate that, if well executed, this flap may be a good option for reconstructions of this region. METHODS: Sixty-eight eyelid reconstructions have been performed at the ACCamargo Cancer Center between December 2012 and May 2015. Of these, 29 patients underwent reconstruction of the lower eyelid or malar/palpebral groove using a V-Y skin flap after skin tumor removal. RESULTS: Among the palpebral reconstructions, the most commonly used was the V-Y flap (29 cases, 42.6%). Two cases (6.9%) developed ectropion. No case of seroma, hematoma, infection, or partial loss of the flap has been observed. CONCLUSION: The V-Y flap is a good option for eyelid reconstruction when well indicated, designed, and executed, since it presents low complication rates and the possibility to be performed under local anesthesia. Therefore, this flap is a good choice for patients without the clinical conditions necessary to undergo surgery under general anesthesia.

Keywords: Eyelids; Reconstructive surgical procedures; Skin neoplasms; Ectropion.

 

Cantopexia lateral como procedimento primário em blefaroplastia inferior

José Everardo Macêdo, Salustiano Gomes de Pinho Pessoa, Breno Bezerra Gomes de Pinho Pessoa, Glauco Soares Almeida, Nelson Gurgel Simas de Oliveira, Allysson Antonio Ribeiro Gomes
Rev. Bras. Cir. Plást. 2009;24(1):30-35 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Introdução: A retração cicatricial da pálpebra constitui complicação comum do pós-operatório de blefaroplastia inferior. Objetivo: Neste artigo, discute-se a importância de associar sistematicamente a cantopexia lateral à blefaroplastia inferior para reduzir sua incidência. Método: Estudo retrospectivo de 200 pacientes submetidos a blefaroplastia inferior transcutânea ou transconjuntival associada ou não à cantopexia lateral proposta por Lessa, com seguimento de 12 meses. Resultados: No grupo de pacientes submetidos a blefaroplastia inferior com cantopexia lateral observou-se índice de 1% de retração cicatricial, contrastando com 16% dessa complicação no grupo que realizou a blefaroplastia inferior isolada. Discussão: A indicação sistemática da cantopexia lateral associada à blefaroplastia inferior divide as opiniões de diversos autores. Por sua fácil execução, baixa morbidade e eficácia comprovada na prevenção da esclera aparente, do arredondamento do canto lateral do olho e do ectrópio pós-blefaroplastia inferior, os autores defendem a opinião de que a cantopexia lateral deve constituir procedimento primário em cirurgia de blefaroplastia inferior.

Palavras-chave: Blefaroplastia. Pálpebras/cirurgia. Ectrópio/prevenção & controle.

 

ABSTRACT

Introduction: The lid scar retraction constitutes usual complication of the postoperative lower lid blepharoplasty. Objective: This article discusses the importance of the systematic association of the lateral canthopexy in lower lid blepharoplasty to reduce its incidence. Method: In this retrospective study, 200 patients were assigned to the transcutaneous or transconjunctival lower lid blepharoplasty linked or not to the Lessa's lateral canthopexy, with a follow-up of 12 months. Results: The patients group submitted to lower lid blepharoplasty with lateral canthopexy had 1% of scar retraction against 16% in the isolated lower lid blepharoplasty group. Discussion: The systematic indication of the lateral canthopexy in association with lower lid blepharoplasty brings different opinions of many authors. For its easy execution, low morbidity and confirmed effectiveness in the prevention of the scleral show, rounding of the lateral canthus and ectropion post lower lid blepharoplasty, the authors conclude that the lateral canthopexy must constitute primary procedure in lower lid blepharoplasty surgery.

Keywords: Blepharoplasty. Eyelids/surgery. Ectropion prevention & control.

 

Autoestima em pacientes submetidas a blefaroplastia

Carlos Koji Ishizuka
Rev. Bras. Cir. Plást. 2012;27(1):31-36 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: Os olhos constituem estruturas anatômicas importantes no conjunto estético da face. O olhar transmite aspectos da personalidade e sentimentos de um indivíduo. O objetivo deste estudo foi avaliar o impacto da blefaroplastia na autoestima das pacientes. MÉTODO: No período de maio de 2006 a abril de 2007, 49 pacientes do sexo feminino, com idades entre 30 anos e 40 anos, foram submetidas a blefaroplastia. Nas pálpebras superiores, foram realizadas excisão do excedente cutâneo e ressecção do excesso do corpo adiposo da órbita ("bolsas adiposas"), em todas as pacientes. Em 24 pacientes o fechamento foi feito com Dermabond® (2-octil-cianoacrilato) e em 25 foi realizada sutura intradérmica com mononáilon 6-0. Nas pálpebras inferiores, foi realizada blefaroplastia inferior transconjuntival sem ressecção de excedente cutâneo em 25 pacientes, e blefaroplastia inferior transcutânea com retalho miocutâneo em 24. Em todas as pálpebras inferiores foi ressecado o excedente gorduroso do corpo adiposo da órbita. Para avaliar o impacto da blefaroplastia na autoestima das pacientes, foi utilizado o questionário The Rosenberg Self-Esteem Scale, aplicado na fase pré-operatória, um mês e três meses após a cirurgia. A análise estatística foi feita pela análise de variâncias com medidas repetidas (ANOVA), complementada pelo método de Bonferroni. Foi empregado o coeficiente de correlação linear de Pearson. A média de idade foi de 34 anos. RESULTADOS: O escore médio da escala de autoestima passou de 7, no pré-operatório, para 4,72 no primeiro mês e 4,63 no terceiro mês de pós-operatório. CONCLUSÕES: Foi observada melhora da autoestima nas pacientes submetidas a blefaroplastia, melhora estatisticamente significante apenas nos grupos submetidos a blefaroplastia superior com fechamento com Dermabond e inferior com retalho miocutâneo.

Palavras-chave: Blefaroplastia. Pálpebras/cirurgia. Auto-imagem.

 

ABSTRACT

BACKGROUND: The eyes are important anatomical structures in the aesthetic whole of the face. A person's gaze communicates aspects of their personality and feelings. This study evaluated the effect of blepharoplasty on the patients' self-esteem. METHODS: From May 2006 to April 2007, 49 female patients aged 30 to 40 years (mean, 34 years) were subjected to blepharoplasty. In the upper eyelids, we excised excess skin and resected excess adipose tissue around the orbit ("fat pockets") in all patients. In 24 and 25 patients, closure with Dermabond® (2-octyl cyanoacrylate) and intradermic suturing with mononylon 6-0, respectively, was performed. In the lower eyelids, we performed lower transconjunctival blepharoplasty without resecting excess skin in 25 patients and lower transconjunctival blepharoplasty with myocutaneous flap in 24 patients. In all the lower eyelids, we resected the excess fat of the adipose body of the orbit. To evaluate the effect of blepharoplasty on the patients' self-esteem, we applied the Rosenberg Self-Esteem Scale before and at 30 and 90 days after the operation. Statistical analyses were performed by applying analysis of variance (ANOVA), Bonferroni correction, and Pearson's linear correlation coefficient. RESULTS: The mean score in the self-esteem scale changed from 7.0 before the operation to 4.72 and 4.63 after 30 and 90 days of the operation, respectively. CONCLUSIONS: We observed an improvement in self-esteem after blepharoplasty, but this improvement was only statistically significant in the group subjected to upper blepharoplasty with Dermabond® closure and lower blepharoplasty with myocutaneous flap.

Keywords: Blepharoplasty. Eyelids/surgery. Self concept.

 

Cantopexia e reforço tarsal com retalho de periosteo

Vera Lucia Noccm Cardim; Khaled Bazzi; Alessandra dos Santos Silva; Mariana Gomes e Silva; Fernanda Martins dos Santos; Rolf Lucas Salomons; Adriano de Lima e Silva; Rodrigo de Faria Valle Dornelles
Rev. Bras. Cir. Plást. 2013;28(1):36-40 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: A pouca resistência dos tecidos palpebrais quando submetidos ao poder retrátil dos planos cicatriciais predispõe a resultados cirúrgicos indesejáveis. Dentre as técnicas mais resolutivas destacam-se as que utilizam retalhos de periósteo. O presente artigo tem por objetivo apresentar uma técnica de cantopexia e reconstituição tarsoligamentar com retalho de periósteo, a fim de obter um reforço consistente e definitivo do tarso e sua continuidade tecidual à face interna da parede lateral da órbita. MÉTODO: No período de julho de 2009 a dezembro de 2012, foram operados pacientes candidatos à realização de cantopexia com rotação de retalho do arcus marginalis sobre o tarso inferior. Foram avaliados os resultados estéticos e funcionais, bem como a presença de complicações. RESULTADOS: Foram realizadas 84 cantopexias e reforço tarsal com retalho de periósteo, em 49 pacientes. Não foram observadas complicações, como hematoma, infecção ou necrose. Remissão total dos sinais pré-operatórios foi verificada em 45 (91,8%) pacientes e 4 (8,2%) apresentaram remissão parcial em pelo menos um dos lados, relacionada à prévia paresia orbicular. CONCLUSÕES: A cantopexia com reforço tarsal com retalho de periósteo proporciona boa reconstituição tarsoligamentar, com posicionamento adequado do canto externo e bom contato da pálpebra com o bulbo ocular.

Palavras-chave: Blefaroplastia. Ectrópio/cirurgia. Pálpebras/cirurgia. Periósteo/cirurgia.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: The low resistance of the palpebral tissues to the retractable forces of postoperative scarring can predispose patients to undesirable surgical outcomes. Among the more effective techniques for solving this issue are the periosteal flaps. This report aims to present a technique for canthopexy and tarsal reconstitution using a periosteal flap to obtain a consistent and definitive reinforcement of the tarsal ligament and its continuity to the inner face of the sidewall of the orbit. METHODS: From July 2009 to December 2012, 49 patients underwent canthopexy with flap rotation of the arcus marginalis of the inferior tarsus. The functional and aesthetic results were evaluated together with the presence of complications. RESULTS: Eighty-four cantopexies and tarsal reinforcements using a periosteal flap were performed in 49 patients. No complications such as hematoma, infection, or necrosis were observed. Complete remission of the preoperative signals was observed in 45 (91.8%) patients, while the other 4 (8.2%) showed partial remission on at least one of the sides related to prior ocularis paralysis. CONCLUSIONS: Canthopexy reinforced by a tarsal periosteal flap provides good tarsal ligament reconstitution with appropriate positioning of the outer corner and good contact of the eyelid with the ocular globe.

Keywords: Blepharoplasty. Ectropion/surgery. Eyelids/surgery. Periosteum/surgery.

 

Blefaroplastia Superior Ascendente ou Lifting Palpebral Superior

Luiz Alberto Soares Pimentel
Rev. Bras. Cir. Plást. 2006;21(1):30-39 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

O autor relata sua experiência com uma técnica pessoal que, inicialmente, foi utilizada para correção de ptose da pele da reborda orbitária (pele subsuperciliar) sobre a pálpebra, a qual é resultado insatisfatório de blefaroplastia superior, executada isoladamente em pacientes com indicação de ritidoplastia frontotemporal. Inicialmente, o autor faz algumas considerações históricas sobre os acessos utilizados na blefaroplastia. A via de acesso da técnica também facilita o acesso às regiões frontal e glabelar e pode, em certos pacientes, ser utilizada para blefaroplastia primária. É uma incisão em ziguezague ou W, junto aos pêlos inferiores do supercílio, seguida de descolamento supra-orbicular e, por este campo, são realizados os demais tempos para o tratamento de bolsas, excessos de gordura retro-orbicular (Roof), levantamento do canto lateral e ressecção do excesso cutâneo, fazendo um verdadeiro lifting da pálpebra superior. Ao longo dos últimos 6 anos, foram operados 42 pacientes por esta técnica e, durante o período estudado, o autor ampliou as indicações. Estas estão relacionadas na seleção dos pacientes para o método utilizado. Os resultados iniciais foram altamente satisfatórios, com baixo índice de complicações e, no acompanhamento tardio, todos os pacientes obtiveram melhora estética importante. O autor conclui que esta nova abordagem representou uma solução simples e segura para correção de maus resultados em cirurgia palpebral e uma nova alternativa para a blefaroplastia superior.

Palavras-chave: Pálpebras, cirurgia. Blefaroplastia. Cirurgia plástica

 

ABSTRACT

The author presents his experience with a personal technique used, in the initial cases, for correction of sub-eyebrow skin ptosis over the upper eyelid, a frequent occurrence after an upper blepharoplasty performed without a concomitant temporal and frontal lifting. Initially, the author makes a brief historical report about the incisions in blepharoplasty. The access way for this procedure is a sub-eyebrow zigzag incision that can be used for frontal and glabelar procedures and also for primary blepharoplasties in some patients. It is a zigzag or W sub-eyebrow incision, below and between the inferior eyebrow hairs, followed by a subcutaneous undermining and orbicularis muscle incisions to treat the fat pads and Roof excesses, to ascend the eyelid's lateral corner and to perform a resection of the skin excess, making a true upper eyelid lifting. In the studied period along the past 6 years, 42 patients were submitted to this technique and the author extended the indications, listed in a selection of patients. High satisfaction levels with the initial results and few complications were observed. All the patients had important aesthetic improvement. The author concludes that this new method is a simple and safe solution for correction of bad results in eyelid surgery and a new alternative to upper blepharoplasty.

Keywords: Eyelids, surgery. Blepharoplasty. Surgery, plastic

 

Ectrópio Progressivo por Ictiose Lamelar: Uma Proposta Terapêutica

Marcus Vinícius Martins Collares, Paula Mancopes, Márcio Hoffman Rigo, Roberto Corrêa Chem, Rinaldo De Angeli Pinto
Rev. Bras. Cir. Plást. 2001;16(1):43-48 - Artigos

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Paciente masculino, 48 anos, portador de ictiose lamelar congênita, com ectrópio bilateral nas pálpebras inferiores, eritrodermia e descamação difusa por todo corpo. Ictiose lamelar congênita está associada com a presença de ectrópio e conseqüente ceratite de exposição. Enxertos com cartilagem conchal, mucosa oral e pele do prepúcio foram usados com sucesso para o reposicionamento das pálpebras e proteção do globo ocular.

Palavras-chave: Unitermos: Ictiose; ectrópio cicatricial; enxerto de pele

 

ABSTRACT

A 48-year-old male patient suffering congenital ichtbyosis, bilateral ectropion of the lower eyelids, erytbroderma, and diffuse desquamation. The congenital lamellar ichthyosis is associated with ectropion and exposure keratitis. Concha-cartilaqe, oral mucous membrane, and prepuce skin grafts were successfully used for eyelid repositioning and eyeball protection.

Keywords: Ichthyosis; cicatricial ectropion; skin graf

 

Blefaroplasia Inferior Transconjuntival

Ruth Graf, André Auerswald, Afrânio Bernardes, Rosana Costa Damasio, Luiz Roberto Reis de Araujo, Christie Michelle Graf
Rev. Bras. Cir. Plást. 2001;16(2):59-74 - Artigos

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

A blefaroplastia inferior transconjuntival foi descrita há muito tempo, mas somente nos últimos anos, com o advento do laser, é que sua indicação passou a ser quase imperativa. Devido a esse ressurgimento, a blefaroplastia transconjuntival voltou a ser indicada em muitas situações. Mais recentemente os autores a têm usado na maioria dos casos em que é necessária a ressecção de bolsas palpebrais ou seu reposicionamento. Quando também está indicada a ressecção de pele, esta é feita em seguida, com bisturi ou a laser. Assim, não há lesão das estruturas nervosas e musculares, principalmente pré-tarsais, o que evita a maioria das complicações das blefaroplastias inferiores.

Palavras-chave: Blefaroplastia; transconjuntival; laser

 

ABSTRACT

Although transconjunctval lower lid blepharoplasty was described many years long ago, it has only been in recent years, with the advent of laser; that its indication has become almost imperative. Thanks to this revival, transconjunctival blepharoplasty has been indicated in many situations. Authors have been using it more recently in most cases where resectioning or repositioning of the eyelid pads is necessary. Also, when indicated, scalpel or laser skin resection follows immediately. In this manner; since there are no lesions to nerve and muscle structures, mainly pre-tarsal structures, most of the complications of lower lid blepharoplasty can be avoided.

Keywords: Blepharoplasty; transconjunctival; laser

 

Correção das retrações palpebrais secundárias à blefaroplastia

Filipe Volpe D'Angieri Basile
Rev. Bras. Cir. Plást. 2011;26(2):228-242 - Artigo Original

PDF Português

RESUMO

Introdução: A retração palpebral nos seus diversos graus é uma complicação temida, mas frequentemente observada no pós-operatório da blefaroplastia inferior. Pode se apresentar desde uma discreta esclera aparente até um grave e sintomático ectrópio. Objetivo: Sistematizar o tratamento das retrações palpebrais secundárias à blefaroplastia nos seus diversos graus. Método: Três grupos foram divididos pela gravidade e tipo de retração palpebral, que orientaria o tratamento a ser recebido. No grupo 1, foram incluídas as retrações palpebrais confinadas ao canto lateral. Este grupo foi tratado com cantoplastia. No grupo 2, foram incluídas as alterações de canto lateral e terço medial da pálpebra causadas por deficiência da lamela média, anterior ou uma combinação entre as duas, mas que não causavam eversão da margem palpebral. Este grupo foi submetido a cantoplastia com retalho de tarso, perfuração lateral da órbita e liberação das retrações da lamela. No grupo 3, foram incluídos pacientes com evidente retração de lamela média, anterior ou uma combinação entre as duas, causando ectrópio franco. Esses pacientes foram submetidos à cantoplastia com retalho de tarso, liberação das retrações da lamela média e enxerto de mucosa de palato duro como espaçador (spacer graft). Resultados: A abordagem sugerida efetivamente corrigiu o mau posicionamento palpebral inferior e melhorou a sintomatologia nos três grupos propostos. Conclusão: O correto diagnóstico das causas da retração palpebral permite a escolha do tratamento adequado. Mais importante que o tratamento, no entanto, é a profilaxia deste tipo de complicação, que só é alcançada após entendimento amplo da anatomia periorbitária e avaliação meticulosa pré-operatória da função tarso ligamentar e outros parâmetros envolvidos.

Palavras-chave: Ectrópio. Blefaroplastia. Pálpebras/anormalidades. Pálpebras/cirurgia.

 

ABSTRACT

Introduction: Lower eyelid malposition is one of the most common complications following lower eyelid blepharoplasty. This may take the form of a mild scleral show with the round eye syndrome or may progress to frank ectropion in some patients. Objective: This study intended to systematically approach inferior lid malposition based on the severity and ethiopatogeny of each case. Methods: Inferior lid retraction was divided in 3 groups based on severity and ethiopatogeny that would guide the treatment. Group 1 had inferior displacement of the lid only on the canthal/ lateral aspect. Canthoplasty was performed in this group; Group 2 included retraction confined to the medial and lateral aspect of the lower eyelid with involvement of medial and/or anterior lamella but with no ectropion. Drill hole canthoplasty with tarsal strip and release of posterior lamellar scaring. Group 3 included patients with 2 or more lamella involved and ectropion. In this group, a Drill hole canthoplasty with tarsal strip, release of posterior lamellar scaring and hard plate mucosa spacer graft was performed. Results: The used approach effectively corrected the inferior lid malposition with release of the referred symptoms. Conclusion: Appropriate surgery, which is determined on the basis of the preoperative evaluation, has allowed for the correction of these previously difficult-to-treat lower eyelid malposition with minimal complications. Despite successful correction a pre operative evaluation is paramount to avoid complications in the lower eyelid surgery.

Keywords: Ectropion. Blepharoplasty. Eyelids/abnormalities. Eyelids/surgery.

 

Suspensão de Supercílio: Via Transpalpebral

Guilherme Herzog Neto, Roberto Sebastiá, Giovanni André Pires Viana
Rev. Bras. Cir. Plást. 2005;20(4):231-236 - Artigo Original

PDF Português

RESUMO

Objetivo: Analisar a suspensão de supercílio via transpalpebral. Método: Foi realizado um estudo prospectivo, entre janeiro de 2003 e dezembro de 2004, incluindo todos os pacientes que procuraram o serviço com queixa de excesso de pele na pálpebra superior e/ou queixa de queda na posição do supercílio. No total, foram realizados 68 procedimentos cirúrgicos. Realizou-se registro fotográfico no pré-operatório e pós-operatório tardio, comparando-se o resultado obtido. Resultados: Quanto ao sexo, 88,9% dos pacientes eram do sexo feminino e 11,1% do sexo masculino. Observou-se que 22,3% dos pacientes tinham assimetria. A suspensão foi bilateral em 94,1% dos casos e unilateral em 5,9%. Na maioria dos casos (88,9%), a colocação de um ponto de sustentação foi suficiente. Em 94,7% dos casos, a suspensão envolveu a região temporal do supercílio e, em 5,3%, apenas a porção nasal. Não houve relato de alteração de sensibilidade local nesta casuística. As complicações encontradas foram: edema local (100%); equimose (47,2%); depressão discreta no local por onde se passou o fio (100%). Conclusão: As vantagens da técnica apresentada justificam, na opinião dos autores, o seu emprego, como mais uma opção para elevação do supercílio.

Palavras-chave: Blefaroplastia. Sobrancelhas, cirurgia

 

ABSTRACT

Background: Transpalpebral browpexy could be performed as an adjuvant procedure to the upper blepharoplasty or as a separate procedure. Particular indications included patients with lateral brow ptosis and discrete forehead wrinkles and balding men. Method: During the years 2003 and 2004, a prospective study was conducted at the Antônio Pedro Hospital with this approach. During this period 68 surgeries were done. Every patient was photographed just before the surgery and after 6 months of the procedure; preoperative and postoperative pictures were analyzed to compare the results. Results: Almost 89% of patients were female. It was seen that 22.3% of patients had eyebrows asymmetry. Bilateral browpexy were done in 94.1% of patients. In most cases (88.9%), only one stitch was needed to accomplish the browpexy and this stitch was located at the temples in 94.7% of cases and at the nasal side in 5.3% of patients. There were no decreased sensation and paresthesis in the undermined area in this casuistic. Complications during the postoperative course were: local swelling (100%), ecchymosis (47.2%), slightly depression at the site of anchoring stitch (100%). Conclusions: Transpapebral browpexy proved to be useful addition to blepharoplasty.

Keywords: Blepharoplasty. Eyebrows, surgery

 

Uma Cantopexia Simples

Sergio Lessa, Roberto Sebastiá, Eduardo Flores
Rev. Bras. Cir. Plást. 1999;14(1):59-70 - Artigos

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

As cantopexias são, hoje, intimamente integradas às blefaroplastias inferiores. Podem ser de dois tipos: com cantotomia e sem cantotomia. A técnica do tipo sem cantotomia que empregamos evita a desinserçâo do ligamento cantal lateral, fixando o ligamento cantal lateral no reborbo orbitário, com fio inabsorvível, tendo como via de acesso a firida da blefaroplastia superior. 118 pacientes foram submetidos à cantopexia associada à blefaroplastia. É um procedimento rápido que diminui sensivelmente a morbidade. Pode ser empregado com sucesso em blefaroplastias onde há moderada flacidez palpebral inferior.

Palavras-chave: Cantopexia; blefaroplastia

 

ABSTRACT

Canthopexies are now integrated to blepharoplasties of the luwer lid. They are of two types: with and without canthotomy. The canthopexy technique we employ is not associated with canthotomy and avoids having to release the lateral canthal tendon. We attach the lateral canthal ligaments to the periosteum of the orbital rim with nonabsorbable suturing material through the superior blepharoplasty wound. 118 patients have been submitted to this procedure. The procedure is quick, greatly reduces morbidity and may be employed in blepharoplasties when there is moderate lid flacidity.

Keywords: Canthopexy; blepharoplasty.

 

Blefaroplastia inferior com suporte cantal lateral

Glayse June Sasaki Acacio Favarin; Eduardo Favarin; Luan Pedro Santos Rocha; Christine Horner
Rev. Bras. Cir. Plást. 2016;31(3):347-353 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: A abordagem transcutânea no rejuvenescimento palpebral inferior é uma técnica versátil e que permite amplo acesso a todas as estruturas periorbitárias. Apesar disso, muitos têm optado por outras vias de acesso, como a transconjuntival, devido ao risco aumentado de mal posicionamento palpebral. A utilização de suporte cantal lateral de rotina tem sido indicada sistematicamente para minimizar este risco. O presente trabalho revisou 136 casos operados com acesso transcutâneo e reforço cantal com cantopexia e suspensão orbicular. MÉTODO: Estudo retrospectivo de casos de blefaroplastia inferior primária transcutânea com cantopexia operados entre janeiro de 2008 e janeiro de 2014. Foram avaliados, por meio de fotos e registro de prontuários, a presença de dermatocalasio, bolsas palpebrais e flacidez tarsal. A técnica cirúrgica e o índice de complicações foram obtidos a partir da descrição cirúrgica e anotações clínicas. RESULTADOS: Foram operados 136 pacientes, com follow-up pós-operatório médio de 180 dias. Consideramos como complicações pós-operatórias epífora (15%), mal posicionamento palpebral (2,94%), hematoma orbital (0%), quemose (9,5%) e sensação de corpo estranho (6%). Sete pacientes (5,1%) precisaram de revisão cirúrgica. CONCLUSÃO: A realização de suporte cantal deveria ser considerada como parte integrante da blefaroplastia inferior transcutânea. Os autores acreditam que a cantopexia seja uma boa opção nos casos primários por sua fácil execução, baixa morbidade e eficácia comprovada na prevenção da esclera aparente, do arredondamento do canto lateral do olho e ectrópio.

Palavras-chave: Blefaroplastia; Pálpebras/cirurgia; Ectrópio.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: The transcutaneous approach in lower eyelid rejuvenation is a versatile technique allowing broad access to all periorbital structures. Nevertheless, many surgeons opt to use different access routes such as the transconjunctival approach, to avoid the increased risk of eyelid malposition. However, the use of a routine lateral canthal support was shown to consistently minimize this risk. This study reviewed 136 cases of patients who were operated on using the transcutaneous approach and canthal support with canthopexy and orbicularis suspension. METHOD: Our study used a retrospective design to investigate patients undergoing primary transcutaneous lower blepharoplasties performed with canthopexy, between January 2008 and January 2014. We assessed the presence of dermatochalasis, eyelid bags and tarsal sagging by analyzing patients' images and medical records. We used surgical descriptions and clinical notes to study the surgical technique used and the rate of complications associated with the same. RESULTS: Our study involved monitoring the post-operative condition of 136 patients for approximately 180 days after they underwent surgery. The occurrence of any of the following was considered a postoperative complication: epiphora (15%), eyelid malposition (2.94%), orbital hematoma (0%), chemosis (9.5%), and foreign body sensation (6%). Seven patients (5.1%) required surgical revision. CONCLUSION: Our assessment revealed that canthal support must be considered as an integral part of transcutaneous lower blepharoplasty. The authors believe that canthopexy is a good option in primary cases owing to its easy implementation, low morbidity, and efficacy in preventing apparent sclera, round eye lateral corner, and ectropion.

Keywords: Blepharoplasty; Eyelid surgery; Ectropion.

 

A utilização da anestesia peribulbar inferior nas blefaroplastias

Sergio Lessa, Carlos Alberto Passarelli, Marcelo de Souza Nanci
Rev. Bras. Cir. Plást. 2009;24(2):208-211 - Artigo Original

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

Introdução: A anestesia peribulbar para blefaroplastias inferiores foi utilizada com sucesso em pacientes selecionados nos últimos 9 anos. Esta técnica é amplamente utilizada nos procedimentos oftalmológicos, porém ainda não havia sido especificamente indicada para as blefaroplastias. Métodos: Foram submetidos a blefaroplastias com bloqueio peribulbar inferior 788 pacientes com idade variando entre 36 e 77 anos, 623 (79%) eram mulheres e 165 (21%) homens. Resultados: Nenhum dos pacientes tratados queixou-se de dor ou desconforto durante ou após a cirurgia. Quemose imediata (17 casos - 2,2%) após a anestesia peribulbar inferior, hematoma orbital (3 casos - 0,4%) e diplopia foram as complicações observadas. Conclusões: A anestesia peribulbar inferior para as blefaroplastias oferece resultados surpreendentes. As cirurgias são realizadas de forma indolor, permitindo aos pacientes um estado de relaxamento completo, proporcionando ao cirurgião um procedimento de realização mais simples e confortável.

Palavras-chave: Blefaroplastia. Pálpebras/cirurgia. Anestesia.

 

ABSTRACT

Background: The peribulbar anesthesia for inferior blepharoplasties was employed successfully in selected patients over the last 9 years. This technique is largely accepted for ophthalmologic procedures but yet not specifically employed for blepharoplasties. Methods: 788 patients with ages ranging from 36 to 77 years old were submitted to inferior peribulbar anesthesia for blepharoplasty procedures, 623 (79%) were female and 165 (21%) were male. Results: None of our treated patients complained of pain or discomfort during or after the surgical procedure. Immediate chemosis after inferior peribulbar anesthesia was observed in 17 (2.2%) cases, orbital hematoma was observed in 3 cases (0.4%) and diplopya or a slight imaging distortion may occur after inferior peribulbar anesthesia, lasting a few hours. Conclusions: The inferior peribulbar anesthesia for blepharoplasties offers surprising results. The surgical procedures are performed pain-free, leaving the patients completely relaxed, allowing an easier surgical procedure.

Keywords: Blepharoplasty. Eyelids/surgery. Anesthesia.

 

Abordagem de hidrocistomas palpebrais écrinos por incisão de blefaroplastia inferior

Thaís Gomes Casali; Rodrigo Pimenta Sizenando; Julia Loyola Ferreira; Henrique Dal Fior Figueiredo; Fernanda Dinelli Scala; José Mauro de Oliveira Squarisi; Diogo Petroni Caiado Fleury; Fernanda Zanatta Freitas Santos
Rev. Bras. Cir. Plást. 2015;30(1):110-113 - Ideias e Inovações

PDF Português PDF Inglês

RESUMO

INTRODUÇÃO: O hidrocistoma palpebral écrino corresponde a lesão cística rara, usualmente de pequenas dimensões, não ultrapassando o diâmetro de 10 mm. Sua abordagem usualmente é por excisão simples e biópsia. É alto o índice de recidiva local. MÉTODOS: Paciente com múltiplos hidrocistomas bilaterais, vários maiores que 10 mm. Sob anestesia local, foi realizada incisão infraciliar tradicionalmente usada para blefaroplastia inferior e retirada dos hidrocistomas com cápsula íntegra. RESULTADOS: Paciente com excelentes resultados estéticos e sem recidivas até o presente momento, mais de seis meses após o procedimento. CONCLUSÃO: A incisão infraciliar de blefaroplastia inferior é uma técnica promissora para exérese de hidrocistomas maiores que 10 mm. Mais estudos devem ser realizados para confirmação do bom resultado estético-funcional desta técnica.

Palavras-chave: Hidrocistoma; Blefaroplastia; Recidiva.

 

ABSTRACT

INTRODUCTION: Eccrine eyelid hidrocystoma is a rare cystic lesion, usually small and not exceeding 10 mm in diameter. Its treatment is usually by simple excision and biopsy. The rate of local recurrence is high. METHODS: A patient presented with multiple bilateral hidrocystomas, several larger than 10 mm. Under local anesthesia, an infraciliary incision traditionally used for lower blepharoplasty was performed, and hidrocystomas with intact capsules were withdrawn. RESULTS: The patient had excellent esthetic results, with no recurrence for more than six months after the procedure. CONCLUSION: The infraciliary lower blepharoplasty incision is a promising technique for excising hidrocystomas larger than 10 mm. More studies should be conducted to confirm the good esthetic and functional outcomes of this technique.

Keywords: Hidrocystoma; Blepharoplasty; Relapse.

 

Retalho músculo cutâneo de pálpebra superior para inferior com pedículo medial para correção de ectrópio

Dayane Raquel de Paula; Maria Cecília Closs Ono; Anne Karoline Groth; Alfredo Benjamim Duarte da Silva; Fabíola Grigoletto Lupion; Renato da Silva Freitas
Rev. Bras. Cir. Plást. 2018;33(Suppl.1):101-103 - Face I

PDF Português

RESUMO

INTRODUÇÃO: O ectrópio se caracteriza por uma eversão da margem palpebral, e é mais comum na pálpebra inferior. O processo de exposição ocular associado a esse quadro pode levar a sequelas graves, como a perda ocular. Muitos retalhos foram propostos para tratar esse quadro. Contudo, a taxa de recorrência pode ser alta, e quando o defeito se localiza na porção medial da pálpebra, ele se torna muito mais desafiador. Por isso, é fundamental que o cirurgião disponha de uma variedade de estratégias cirúrgicas para tratar adequadamente esses casos, definindo, em cada circunstância, qual a melhor técnica a ser adotada, entre as possibilidades disponíveis. O objetivo é apresentar o emprego do retalho miocutâneo de pálpebra superior para inferior, pediculado medialmente, como alternativa no tratamento de três casos de ectrópio MÉTODOS: Tratamento de pálpebra inferior com retalho miocutâneo de pálpebra superior para inferior, pediculado medialmente. Três casos pós-ressecção de lesão oncológica que evoluíram com ectrópio de pálpebra inferior (um deles já recidivado) e que foram trados com retalho miocutâneo de pálpebra superior para inferior, pediculado medialmente; nenhum dos 3 casos apresentou recidiva após essa abordagem proposta. CONCLUSÃO: O retalho miocutâneo de pálpebra superior para inferior com pedículo medial demonstrou-se uma opção viável, com resultado funcional e estético satisfatório, sem trazer grande prejuízo à área doadora e apresentando pele de cor, espessura e textura adequada à reconstrução da pálpebra inferior.

Palavras-chave: Ectrópio; Retalhos cirúrgicos; Pálpebras; Carcinoma; Reabilitação.

 

Perfil dos casos de ectrópio em um centro de referência de tratamento oncológico

Dayane Raquel de Paula; Maria Cecília Closs Ono; Anne Karoline Groth; Alfredo Benjamim Duarte da Silva; William Itikawa; Renato da Silva Freitas
Rev. Bras. Cir. Plást. 2018;33(Suppl.1):122-124 - Face I

PDF Português

RESUMO

INTRODUÇÃO: O ectrópio é a alteração de mal posicionamento da pálpebra mais comum. A pálpebra e a região periocular são as áreas mais comumente afetadas pelos cânceres de pele - entre 5 e 10% dos cânceres de pele ocorrem nessa topografia. O ectrópio ocorre em 2,5 a 7% dos casos de remoção de lesões da pálpebra. Frequentemente, o tratamento do ectrópio vai requerer uma intervenção cirúrgica, e, infelizmente, a taxa de recorrência pode ser alta. Objetivo: Relatar a experiência de um centro de referência no atendimento de pacientes oncológicos no tratamento de casos de ectrópio. MATERIAIS E MÉTODO: Avaliação retrospectiva dos casos de ectrópio atendidos no nosso Serviço de Cirurgia Plástica e Reparadora do Hospital Erasto Gaertner, no período entre junho de 2012 e dezembro de 2017. RESULTADOS: Quarenta e sete casos de ectrópios foram levantados nessa pesquisa. A idade média dos pacientes foi de 67,65 anos. Vinte e oito pacientes do sexo feminino e 19 do sexo masculino. O tempo médio transcorrido entre a ressecção inicial e a cirurgia de correção do ectrópio foi de 27 meses. Sobre as neoplasias, 24 casos eram carcinoma basocelular, 16 casos de carcinoma espinocelular, 4 casos de melanoma e 1 caso de carcinoma de células de Merckel. Em 14 casos, houve necessidade de radioterapia adjuvante para o tratamento da neoplasia. Houve recidiva do ectrópio em 11 casos, sendo que em 4 deles havia história de radioterapia prévia. Entre estes mesmos 11 casos de recidiva, a reconstrução imediata foi feita pela própria equipe da Oncologia Cirúrgica em 8. CONCLUSÃO: A avaliação dos casos de ectrópio em centros de tratamento oncológico tem elementos muito relevantes que devem ser levados em consideração, como a equipe que realizará a reconstrução imediata e os casos em que será necessário complementar o tratamento com radioterapia. Esses dois elementos parecem, numa primeira análise, relacionados com aumento das taxas de recidiva.

Palavras-chave: Ectrópio; Carcinoma; Recidiva; Neoplasias palpebrais; Retalhos cirúrgicos.

 

Padronização de algoritmo pré-cirúrgico para tratamento de margem palpebral

CAIO PUNDEK GARCIA; CARLO MOGNON MATTIELLO; NATALIA BIANCHA RENDON; ZULMAR ANTONIO ACCIOLI DE VASCONCELLOS; LAURA BATISTA DE OLIVEIRA; JORGE BINS ELY
Rev. Bras. Cir. Plást. 2019;34(Suppl.1):132-135 - 35ª Jornada Sul Brasileira de Cirurgia Plástica

PDF Português

RESUMO

Introdução: A cirurgia estética periorbital adequadamente realizada é um dos procedimentos mais rejuvenescedores de todas as cirurgias faciais realizadas. No entanto, não existe padronização dos procedimentos necessários para diminuir a chance de má posição da margem palpebral no pós-operatório.
Método: O serviço de cirurgia plástica do HU/UFSC criou uma padronização de avaliação da margem palpebral pré-cirúrgica. Para avaliação do ligamento tarsal foi utilizado o snap test, projeção lateral e projeção anterior. Para avaliação da sustentação tarsal foi utilizado o canto lateral, vetor e distância canto-órbita.
Resultados: A partir de setembro de 2018 foi implementada a padronização de avaliação de margem palpebral para realização de blefaroplastia inferior.
Conclusão: A padronização de um procedimento evita intercorrências e complicações futuras de pacientes.

Palavras-chave: Doenças palpebrais; Blefaroplastia; Blefaroptose

 

ABSTRACT

Introduction: Properly performed periorbital aesthetic surgery is one of the most rejuvenating procedures of all facial surgeries. However, there is no standardization in procedures necessary to reduce the chance of poor postoperative palpebral margin position.
Method: The HU/UFSC plastic surgery service created a pre-surgical eyelid margin standardization. To evaluate the tarsal ligament, the snap test, lateral projection and anterior projection were used. To evaluate the tarsal support, we used the lateral corner, vector and corner-orbit distance.
Results: As of September 2018, the standardization of eyelid margin evaluation was performed for lower blepharoplasty.
Conclusions: The standardization of a procedure avoids future complications and complications of patients.

Keywords: Blepharoptosis; Eyelid diseases; Eyelids

 

Versatilidade do tarsal strip para correção de diferentes tipos de ectrópio

NATALIA BIANCHA RENDON; CAIO PUNDEK GARCIA; CARLO MOGNON MATTIELLO; JULIAN ANDRES ZUÑIGA RESTREPO; LUIS GUSTAVO FERREIRA DA SILVA; JORGE BINS ELY
Rev. Bras. Cir. Plást. 2019;34(Suppl.1):165-168 - 35ª Jornada Sul Brasileira de Cirurgia Plástica

PDF Português

RESUMO

Introdução: O ectrópio é o mal posicionamento da pálpebra caracterizado pela eversão da ciliar e a exposição da conjuntiva e da córnea. No caso do ectrópio inferior, reconstrução pode ser realizada por meio de uma variedade de técnicas já padronizadas como a amplamente utilizada técnica de tarsal strip.
Método: Revisão de três casos de ectrópio de diferentes causas corrigidos com a técnica de tarsal strip.
Resultados: É um procedimento eficaz, que encurta a pálpebra inferior, resultando em cicatriz discreta e de execução relativamente fácil.
Conclusão: Embora essa técnica apresente resultados satisfatórios, a escolha da técnica para correção do ectrópio deve levar em conta a extensão da eversão, condições locais e gerais do paciente.

Palavras-chave: Blefaroplastia; Ectrópio; Retalhos cirúrgicos

 

ABSTRACT

Introduction: The ectropion is the eyelid malposition characterized by eversion of ciliary margin and exposure of conjunctiva and cornea. In case of lower ectropion, reconstruction can be fulfilled by a variety of already standardized techniques such as the widely used tarsal strip.
Method: Review of three cases of ectropion of different causes corrected with the tarsal strip technique.
Results: This procedure is effective, shortening the lower eyelid and resulting in a discreet scar and relatively easy execution.
Conclusions: Although this technique presents satisfactory results, the choice of technique should consider the extent of the eversion, local and general conditions of the patient.

Keywords: Blepharoplasty; Ectropion; Surgical flaps

 

Patrocinadores

Indexadores

Licença Creative Commons Todos os artigos científicos publicados em http://www.rbcp.org.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons